O que foi o SWU?

É claro que um evento gigante dá problemas e é claro que tem gente chata e mimada que exagera nas reclamações, mas o que acompanhamos na tentativa de festival sustentável SWU passa do limite.

Fomos no dia 10, comprovamos vários problemas e decidimos reunir boa parte do que encontramos em uma lista de críticas, mensagens no Twitter, relatos em blogs e algumas sugestões (já que dizem que haverá outra edição).

Talvez o que intensifique a revolta seja a insistência da organização em chamar esse evento comercial de “movimento social” e a falta de diálogo com as pessoas que pagaram e estão insatisfeitas, reclamando como podem Internet afora.

O bom é que deu para assistir ao Fórum pelo site oficial e a alguns shows pelo site da Oi e na TV (Multishow e Globo). Ponto positivo.

Se não pagamos para entrar, ficamos na tal da pista premium e ainda assim ficamos insatisfeitos, só conseguimos imaginar a dor de cabeça de quem pagou e se sentiu um otário no meio daquele parque de publicidade.

Eles queriam ser Woodstock. Mas também queriam levar um troquinho...

Principais problemas e sugestões

1. Pista premium, camping premium, praça de alimentação premium, vários locais de acesso restrito… Isso não faz sentido algum, principalmente em algo que é chamado de “movimento social”. Não custa nada abrir tudo, cobrar apenas um tipo de ingresso e criar um ambiente de igualdade. Essa cultura do VIP, um dos pilares do SWU, é curiosamente uma das maiores causas de nossa situação precária – ambiental e humana.

2. Preços humilhantes. Além do ingresso caro, a água custava 4 reais, um refrigerante 5 reais, uma minipizza (do tamanho de um pedaço de pizza), fria e crua, saia por 8 reais e um hambúrguer maravilhoso como esse da foto abaixo tirou 12 reais do bolso de muita gente.

Hambúrguer saboroso de... adivinha? Bacon! (via Twitpic - @zerrenner)

Nada, nada justifica isso, principalmente em um evento com patrocínio e Lei Rouanet bancando 6 milhões. Se vão nos encher de comerciais em todos os cantos (até nos telões, logo após o último acorde de cada show), cobrem barato.

3. As comidas oferecidas eram incongruentes com a proposta do evento. Em vez de chamar empresas de fast-food como espetinhos Mimi, pizza, hambúrguer, cachorro-quente, crepe e afins, por que não movimentar a comunidade local com comida boa, caseira e barata? Grandes raves, como o Universo Paralello, fazem muito isso e dá certo.

Sustentabilidade envolve qualidade de vida e alimentação saudável. Um evento que preze por este movimento não pode se render e ter como patrocinadores empresas que produzem enlatados, industrializados, refrigerantes e que contribuem para a devastação florestal.

Além disso, apenas oferecer uma opção vegetariana não é a solução. Se é um evento também de reflexão, é necessário que seja dito, ao menos, que a indústria da carne é a que mais contribui para a insustentabilidade. Como parte da idealização do projeto, o correto seria a alimentação natural e vegetariana ser incentivada no evento.

4. Usaram copos e garrafas de plástico não reutilizáveis. Ou seja, muito lixo produzido por apenas uma só pessoa. Uma ideia seria dar uma caneca na entrada e distribuir água de graça em bebedouros gigantes. Se a Nestlé fizesse isso, certamente ganharia nosso respeito.

Merchan, para os íntimos (via Flickr - In Press/SWU)

5. O SWU foi realmente inovador ao mostrar uma nova modalidade de greenwashing, envolvendo a produção de um festival de música e a apropriação do mote “Por um mundo melhor”. O resto é fácil: envolva grandes marcas e chame meio mundo de músicos para entreter o rebanho enquanto todos consomem lixo e liberam o máximo possível de dinheiro.

6. Sem nenhuma vergonha, uma parte do evento era destinada ao merchandising, o que soma para validar o evento como mais um de marketing verde. Afinal, qualquer um que se interesse por sustentabilidade sabe que a principal estratégia (melhor do que reutilizar e reciclar) é a de reduzir o consumo. Proposta inviabilizada pelos patrocinadores do evento e, no entanto, uma maneira da nossa tentativa de Woodstock brasileira aproveitar para lucrar um pouco mais.

Para forçar o consumo, as pessoas foram proibidas de entrar com água ou comida, o que gerou um lixo gigante já na entrada do evento.

7. O transporte e o estacionamento foram completamente mal organizados. Este talvez seja o principal foco das reclamações e das histórias de sofrimento (leia no Scream & Yell). Como se não bastasse, não havia bicicletário, o estacionamento para o mais sustentável dos veículos.

8. A formação da equipe de funcionários foi muito ruim. Falta de informação e desorganização em todas as falas. Tivemos um problema (pequeno, considerando o que lemos nos relatos) na hora de achar o estacionamento e a produção do evento foi clara ao dizer que não sabia. “Isso aqui tá uma zona, cara!”, sinceramente nos disse um cara com a camiseta do festival logo na entrada.

9. O tempo de todos os shows foi muito curto. Imagine um fã de O Teatro Mágico, por exemplo, que passou por muita confusão apenas para ouvir 6 músicas. “Ou cancela o show ou toca por 25 minutos”, foi o que Fernando Anitelli ouviu da organização do evento.

10. Bom, mas se o evento não foi sustentável, foi, pelo menos, um festival de música, não é mesmo? Mais ou menos assim, digamos: o som falhou em muitos shows, como Rage Against the Machine (caiu duas vezes e depois ficou baixo para quem não estava na área premium), Los Hermanos (som baixo), Regina Spektor (problema de retorno), Queens of the Stone Age (microfonia) e Yo La Tengo (som abafado e baixo).


Vaia do público.

Reclamações no Twitter

RT @rebiscoito: Vi tanta reclamação que algo me leva a crer que quem tá falando bem do #SWU ta ganhando uma boa grana.

RT @thenatinakajima: Patrocinadores (Coca-Cola, Heineken e Nestlé), vcs tão se queimando feio no #swu #swufail

RT @bqeg: O povo reclama do preço dos ingressos, do estacionamento, disso, daquilo, mas lota o evento. Vai entender.

RT @victorpotasso: #swufail Os ativistas q acreditaram no que esse evento prega com certeza devem estar morrendo de vergonha por terem contribuído c/ isso.

RT @ArturLA: #SWUFAIL comida cara. filas de horas para comprar. merchan caríssimo. Banheiros podres. Fazenda Moeda. Concordo. SWU foi um engodo.

RT @brunoscalzo: Toda a mídia fala de pequenos probleminhas no festival… lobby do caralho. Vamo falar a real, o que aconteceu NÃO PODE acontecer…#swufail

RT @PelicanoSuicida: Galera do #SWUFail, quem aí vai exigir dinheiro de volta? Eu vou…quem for também, fale comigo…ou não, sei lá.

RT @PelicanoSuicida: E enquanto as pessoas lesadas pensarem “Ah, mas o Brasil é assim mesmo”…o país vai continuar assim…mesmo. #SWUFail

RT @brunafernanda: O evento que se diz pró sustentabilidade fez todo mundo jogar os alimentos, cigarros, desodorantes, bebidas no lixo #swu SWUfail.

RT @anarosarp Caraca, a revolta ao #SWUfail tá mais organizada q eles, adorei! RT @marciaceschini @swuvaitomarnocu #swu #swufail

RT @itsous SWU devia mudar o nome pra FWU. Fail with you. Fuck with you. Fila with you. Firula with you. Frio with you. #SWUfail

RT @samucapessoa: Devia ter um telao na entrada do @swubrasil ja q a gente fica a maior parte do tempo aki. #swufail

RT @CortaOnda: RATM e DMB foram a redenção de um evento com muitas falhas. #SWUfail

RT @ricardocatarina: Ingresso: 400 R$, Coca Cola : 5 R$ , Pipoca 10 R$ , assistir o SWU de graça pela internet, ñ tem preço #SWUfail

RT @flaviadurante: Só vou acreditar que o @Eduardo_Fischer se preocupa com sustentabilidade quando a agência dele abrir mão da @monsantoco

RT @oestagiario:  No Fórum do #SWU faltou um ppt com o título “Eduardo Fischer: Um visionário”. Mais uma confirmação da distância que quero dessa turminha.

RT romani83: Entrevistei um organizador do SWU pro @zonapunk antes do festival. A promessa era de que a experiência superasse os shows. Foi, mas pra pior.

RT @swuvaitomarnocu: No camping não podia nem fazer comida, que sentido faz um evento sustentável que incita as pessoas a consumirem mais embalagens?

RT @lini: o @swubrasil foi tão bom que até quem foi pago pra falar bem tá falando mal.

Discussão no Facebook

Screw With You. Eu já adotei o novo nome.”

“E aí, organizadores? Cadê o pedido de desculpas?”

Notícias e relatos

Isso é só uma parte do que aconteceu na Internet enquanto o evento rolava. A hashtag #SWUFail, no Twitter, trouxe informações que a organização do festival escondia. Enquanto pessoas reclamavam do evento e pediam por ajuda, o perfil do festival no Twitter fingia não ler o que estava se passando. Fomos tratados como gado pessoalmente e virtualmente.

A repercussão negativa nas redes sociais só não foi maior porque a organização do evento comprou boa parte dos blogueiros influentes com ingressos, credenciais, regalias e privilégios. Chamando-os de insiders e pedindo explicitamente para enviar as críticas por email, nunca abrindo aos seus leitores, a organização conseguiu manter calada muita gente que meteria a boca no trombone.

Como nem tudo pode ser controlado na Internet, o evento nem precisou terminar para que o perfil @swuvaitomarnocu fosse criado no Twitter para fazer justiça com as próprias mãos e tentar fazer com que Eduardo Fischer veja o que estava além da área premium.

Ao reunir todas essas críticas, nossa motivação é deixar bem claro para a organização e para os patrocinadores que isso não é correto e não deve nem tentar ser repetido.

E para nós, público, é essencial saber nos organizar para não mais aceitarmos algo assim, não comprarmos ingressos, rejeitarmos o modelo premium, desconfiarmos de um “movimento social” proposto por uma holding de publicidade, deixarmos falir um festival mal organizado antes que ele capture 50 mil pessoas que vão seguir suas ordens, aceitar suas condições, repetir um discurso raso do que é sustentabilidade, pagar 100 reais no estacionamento e depois sofrer, acordar e reclamar para ninguém ouvir.

por Isabella Ianelli e Gustavo Gitti.

Related Posts with Thumbnails

Compartilhe...

 

Receba o próximo texto


130 comentários

  1. Melhor evento “Oba, não fui” E-V-E-R!!!!!

    • hahahahahahahaha toca aqui o/\o

    • Wo show do tiririca é muito melhor,pior do que ta num fica

    • Preço de primeiro mundo por um serviço brasileiro (que eu categorizo como abaixo de terceiro mundo neste caso).

    • Todos sabemos que o evento só estava se utilizando do marketing verde como mote pra atingir o máximo de pessoas. Mas com ou sem esta questão, foi um evento enorme de música como todos são e com todos os perrengues em questão. E outra, quanto ao Teatro Mágigo. Faça-me o favor, você acha que o fã que comprou para este dia foi especialmente para ver Teatro? Desculpe-me, mas ô fã burrinho. Os caras ‘vira e mexe’ fazem shows mais acessíveis e menos estressantes por aí… este exemplo ficou meio descabido. Agora, pergunte aos fãs do RATM, por ex, estes lavaram a alma e não houve perrenge, falsa sustentabilidade ou cerveja cara que fizeram estes perderem a emoção de estar lá e ouvir Zack de La Rocha dizendo em certo momento: “MST”.

    • O ROCK in RIO Madrid o transporte era FREE, ou pelo menos incluso já que nada nesse mundo é de graça! Eram centenas de onibus para ir e voltar, impressionante, você só tinha que se dirigir até o estádio do Real Madrid e eles te levavam ao local dos shows que era PQP, a mais de uma hora da cidade!
      Quando eu ouvi falar em SWU eu não acreditei na proposta, só inocente por favor, e depois que soube que não haveria esquema de transporte e eu ainda teria que pagar por ele aí que decidi não ir mesmo. Já é dificil sair do Morumbi em dia de show.

  2. Lembrando que você disse que o evento comprou blogueiros insiders pra esconder as críticas mas na própria lista de links seus tem o Move That Jukebox criticando o local. Sou um Insider também e também me fodi, mais bonito até do que quem foi lá um dia só. http://www.rockinpress.com.br/2010/10/12/a-imprensa-contra-a-imprensa-o-porque-o-rockinpress-foi-expulso-do-swu/
    E eu sou Insider.

    • Marcos Xi,

      O Gustavo Gitti, meu namorado, que assina o texto comigo, também é um insider. Acho que está na hora de vocês se rebelarem mesmo!

    • Marcos, sim, tem mais de um insider na lista e cada vez mais vejo gente soltando as críticas, até mesmo quem foi convidado e produziu vídeos de apoio, como o genial Denis Burgierman: http://veja.abril.com.br/blog/denis-russo/ideias/o-pais-dos-vips/

      O que aconteceu foi uma pressão para que os “insiders” não falassem mal publicamente e não listassem as críticas óbvias ANTES do evento. Você não passou por isso?

      Isso é algo que participa da lógica marketeira. Caso contrário, nenhum movimento realmente benéfico a todos os envolvidos estaria preocupado com não sujar sua imagem.

      Foi engraçado o modo como eles estavam morrendo de medo. Chegaram até a pedir que eu apagasse uma mensagem no Twitter, olha o tamanho da paranoia (como se isso fizesse alguma diferença e impedisse o evento de bombar).

      O problema é que tudo foi feito entre grandes empresas, agências, patrocinadores. E grande parte dos funcionários trabalhou pela empresa, não pelo movimento. Vou escrever mais sobre isso no Não2Não1.

      O grande problema foi a enganação. Se tivessem se colocado como um festival desde o começo, OK, seriam julgados como tal. Como eles quiseram fazer a maior cena “sustentável”, agora ouçam as críticas. E é nosso papel deixá-las bem claras.

      É errado fazer isso, BEM errado, principalmente num mundo em que precisamos, sim, da tal maior consciência sustentável. O problema é que um evento desses é contraproducente, é um desserviço à causa que eles tentaram defender.

      Eu fiquei comovido pela quantidade de gente que sofreu. Num certo sentido, todos ali fizeram papel de palhaço, seja pagando uma puta grana para apenas estacionar um carro, seja pela publicidade excessiva, pela alimentação ou sofrendo mesmo com a falta de organização deles. E ainda tendo de ouvir e aceitar um discurso “Por um mundo melhor”.

      Não dá para fazer algo assim em massa. Dá pra ganhar dinheiro, mas “conscientizar” e transformar é algo que vai sendo feito em grupos menores, sem tanto alarde, não tem jeito.

      Quem realmente queria um evento sobre sustentabilidade estará no TEDxAmazônia.

      Abração.

    • Wo show do tiririca é muito melhor,pior do que ta num fica. rsrsrs

  3. É engraçado esse lance de insiders, porque antes do evento ja rolava uma critica sobre o mesmo. O lance da pista vip, os preços, o local do evento, o lance publicitario de utilizar a sustentabilidade como bandeira, entre outras coisas…

    E eu nao lembro de ninguem que estava entre os insiders bater de frente com isso, nem citar tais fatos. E eu nao to aqui culpando ou apontando A ou B nao, eu realmente acho um absurdo o que rolou com o Rock In press e comentei isso no topico que o Marcos fez. So to deixando claro que os erros estavam presentes antes mesmo do evento ocorrer…

    Ah, bom texto, otimo site, altas coisas legais ja li por aqui. Tem prós e tem contras! Engraçado é que estão esquecendo de falar de musica, banda boa com som ruim nao quer dizer show bom. Nem banda ruim com som bom. Os vacilos no show do Rage foram bem feios, outros reclamaram do som em outros shows do festival e isso deve ser melhorado tambem.

    O que parece é que houveram erros e acertos em ambos os pontos, tanto na organização, quanto nos shows e na parte musical do evento.

  4. Essa coisa de insiders minimizando os problemas do festival eu não sabia. Que vergonha.

  5. os caras do SWU são tão burros q nem os insiders trataram bem…

    fui insider do festival, me fodi a beça e não me vendo por ingressinhos..

    pela etica q tenho na minha vida vou escrever sobre a minha vivência no SWU contando a real..

  6. Nossa, bom saber o que realmente aconteceu no SWU. Eu desisti de ir logo que divulgaram os preços dos ingressos. Eu moro em Maringá – Pr. e a conta para ir no SWU ia ficar muito grande para uma estudante como eu, então fiquei em casa (pelo jeito me dei bem).

  7. Ao jogar a primeira pedra, fui criticado. Agora são várias no mesmo caminho. Logo mais explicarei minha precoce rebelião do projeto #insiders – que já seria o preview do que viria ser o festival.

    Parabéns pelo balanço do evento Isabella Ianelli e Gustavo Gitti.

    abs,

  8. Nossa, bom saber o que realmente aconteceu no SWU. Eu desisti de ir logo que divulgaram os preços dos ingressos. Eu moro em Maringá – Pr. e a conta para ir no SWU ia ficar muito grande para uma estudante como eu, então fiquei em casa (pelo jeito me dei bem).

  9. Aff, quem foi o trouxa que em algum momento acreditou na “mensagem” do festival?… Paguei pra ver as bandas que eu gosto, com toda consciência. O povo reclamou do banho de 7 minutos, do lixo no chão e da fila pra comer x-burger… ora, tomar banho rápido em casa, jogar o lixo no lixo e não se entupir de porcaria já deveriam vir de antes. Responsabilidade social e ambiental não se aprende do dia pra noite num festival de música, é coisa de todo dia, de educação constante e desde a primeira infância (ou seja, em casa).

    Claro, as observações acima não isentam os organizadores e as empresas patrocinadoras das críticas quanto à mercantilização vergonhosa da “sustentabilidade”.

  10. Vinícius Junqueira |

    Não concordo com quase nada que foi dito. É a única iniciativa que tivemos até hoje de trazer bandas internacionais, por um preço acessível.

    • Vinícius, minha crítica não é ao festival. Não escreveria nada disso se fosse um festival divulgado como festival, mesmo com problemas comuns a qualquer festival.

      O problema é a insistência deles em chamar isso de “movimento sustentável”. É essa posição que está recebendo todas as reclamações e críticas.

      Os caras praticamente assaltaram/roubaram a galera lá e ninguém diz nada. E não me refiro aos roubos e furtos, mas aos organizadores. Vejam bem:

      “O SWU captou 6 milhões de reais em incentivos fiscais via Lei Rouanet, do Ministério da Cultura. Nem isso foi suficiente para baratear os ingressos?”
      http://veja.abril.com.br/blog/veja-acompanha/festival-swu-2010/um-balanco-do-swu/

      Fora estacionamento caro, comida, camping… Não sei como foi pagar rios de dinheiro para ficar lá nas áreas premium e sofrer com tudo isso.

      Se fosse divulgado como festival, OK, seria julgado como festival. Como levantaram a bandeira da sustentabilidade, estão sendo julgados de outro modo.

      Abração.

    • Vinicius, você está enganado. O Rock In Rio de 2001 trouxe mais bandas que o SWU em um festival que durou mais dias (6, se não me falha a memória), com um público 4 vezes maior a cada dia (média de 200 mil pessoas por noite) e o ingresso para cada noite custava 35 reais. Mesmo calculando a inflação desde então os ingressos não chegariam aos preços extorsivos do SWU.

      Outra coisa, há tempos temos bons festivais no Brasil, seja em São Paulo ou outros estados. Para trazer grandes bandas internacionais há o Planeta Terra com uma estrutura de nível internacional e preços ótimos. Os preços do SWU te permitem ir até a California (pagando passagens aéreas) e ver o Coachella, festival infinitamente melhor.

    • Juliana Protásio |

      Acessível pra quem, cara? Onde vc estava quando o Festival Planeta Terra, TIM Festival, Claro que é Rock e outros traziam várias bandas por cerca de metade do valor cobrado por cada dia da pista comum do SWar?

    • Ian,

      O Rock in rio foi em 2001 por isso custava 35 reais o dia! hoje em dia não tem como fazer festivais com esse valor de ingresso. E a inflação e impostos onde ficam?

      Não sei se você sabe mas o valor do previsto para o Rock in Rio 2011 é de R$170,00 o dia! Ou seja, quem quiser curtir o festival completo, 6 dias, desembolsará pouco mais de R$ 1.000,00!!

    • Rafa, de fato o valor de R$ 35,00 é utópico para os dias de hoje, mas no Rock In Rio fizeram algo que o SWU não fez: colocaram bandas semelhantes no mesmo dia.

      O ingresso para ver os shows do Rock In Rio em frente ao palco será quase 4 vezes menor que o SWU (170 contra 640), uma vez que o Rock In Rio não terá pista VIP

    • Porra, da onde tu tirou que se consegue ir até a California e ainda assistir ao Coachella com R$ 300 reais (chutando alto, porque eu particularmente não gastei tudo isso no SWU), me diz porque to indo pra lá no final do ano e só de passagem saiu mais de mil reais.

    • Ian. | 13 de outubro de 2010 at 2:47

      […]”mas no Rock In Rio fizeram algo que o SWU não fez: colocaram bandas semelhantes no mesmo dia.”

      Carlinhos Brown, oi?

  11. Pior que o Julio tá certo. Ele avisou desde antes e até eu fui meio que contra ele.

  12. Isabella, Gustavo e todos, eu fui ao SWU!
    Como fui tbm a todos os (3) Rock n Rio e (8) Hollywood Rock, entre outros shows. Todos eles tentam um apelo “emocional” mas na real é a mesma coisa de evento grande.

    Paguei e levei minha filha de 17 anos para assistirmos aos shows de bandas que curtimos. E é claro, não tinha como não ser diferente, bagunça, má educação da produção, falta de informação, confusão, comida cara e ruim…já esperava por isto, igual aos outros que citei acima.

    Mas todos vcs tem toda razão, consciência não combina com interesse de mercado. Aquele negócio do povo gritar para a Nestlé plantar 4 mil árvores foi o cúmulo!!

    O mais bacana é ver esta galera usando a web para colocar para fora o que viram por lá. E espero mesmo, de verdade, que toda esta geração, quando estiverem nos boards das grandes empresas e aprovem eventos realmente conscientes, o façam como precisa ser…equilíbrio entre o interesse (necessário) comercial e a verdadeira sustentabilidade e bem comum.

    Grande abraço e beijos e parabéns pelos textos.

  13. Fico mais aliviada por ter ficado em casa! Sinto que contribuí mais com o meio ambiente e ainda poupei-me do estresse.Pena que o SWU não tenha alcançado o real objetivo. De qualquer forma, com festival ou não, “bora” fazer a nossa parte! Parabéns pelo texto!

  14. Sou a favor da volta do Claro Que é Rock de 2005.

    • Me too. Voto na volta do Claro que eh rock!!!!! Esse sim foi um festival super bem organizado, preços acessiveis e justo e shows incríveis. =]

  15. se tao achando tao ruim, organizem um evento legal como esse

    • É esse tipo de pensamento “se não achou bom, faz melhor” que fode o cu do palhaço e impede que sejam feitas críticas construtivas.
      O mesmo discurso foi usado pelo Eduardo Fischer durante o tal “fórum da sustentabilidade” no último dia do festival. Coisa de gente que, além de não aceitar críticas, não quer reconhecer os problemas.

  16. Juliana Protásio |

    Quando ouvi falar do SWU, fiquei empolgada com as atrações, como todo mundo. Ao saber dos preços dos ingressos, desanimei e quando comecei a acompanhar a balela da ‘sustentabilidade’, achei que tudo isso cheirava muito mal. Exceto pela questão dos roubos que ocorreram DENTRO do festival, todo desconforto restante cheguei a prever, pois em eventos de porte menor aqui em SP, como o Tim Festival e o show do Radiohead, já havia rolado uma mostra do caos da alimentação e do transporte. Transferi isso para uma fazenda no interior. A matemática foi fácil. A abordagem “verde”do evento evidentemente é uma estratégia falaciosa para abocanhar patrocínios e o diabo da Lei de Incentivo. Na prática, além de ir radicalmente contra o próprio conceito, com tantas ilhas de privilégio (?) VIP e causar todos esses transtornos pros coitados dos fãs, que reclamaram, mas pagaram para entrar, ao jogar o preço dos ingressos lá pra cima, corre-se também o risco de inflacionar (ainda mais) o mercado dos shows e festivais internacionais no Brasil. Na hermana e vizinha Argentina, por exemplo, as mesmas bandas que se apresentam aqui poucos dias antes ou depois, fazem shows lá por ingressos bem mais baratos. Algo a se refletir.

  17. Alguém mencionou os Rock in Rio e Hollywood Rock da vida… Eu fui no Rock in Rio 2 com Maracanã sujo e lotado pra ver Guns; vi Aerosmith em um dos Hollywood Rock e adorei (Morumbi em melhor estado que o Maraca), mas não esperava nada melhor do que vi, em termos de infra. Enfim, é como todos dizem: se fosse um festival de música simplesmente, seria criticado por tal, como o som da Joss Stone falhar (que eu vi pela TV), e tantas outras menções. Mas não faz sentido algum gastar toneladas de plástico em copinhos e tentar justificar isso com plantio de árvores ou compensar a emissão de carbono.

  18. Ótimo texo isabella!

    depois de tanta reclamação e pontos negativos, que a organização ouça e tente melhorar pra um proximo festival e que o Rock In Rio leia todos esses posts e não cometa erros grosseiros como o swu cometeu.

  19. Li a maioria dos comentários e concordo em parte com o que foi dito.

    O evento teve muitas falha mas, porém acertou em muitos outros pontos. Vamos focar em críticas construtivas afinal nada é perfeito.

    Acho que houveram importantes pontos que foram levantados aqui e que fazem todo o sentido:

    1) Por que num evento que almeijou levantar a bandeira verde não existiu o incentivo, quer seja financeiro ou não, ao refil de certas bebidas?

    2) Como se faz um evento que defende a igualdade, respeito pelo próximo e pelo meio ambiente criando a desigualdade com pistas premium e áreas vips que te proíbem o acesso a inúmeros locais?

    3) Por que não investir tbm em frutas e produtos orgânicos na praça de alimentação, assim evitariamos e muito as embalagens plásticas?

    4) Quase todo mundo quer levar uma lembrança do evento para casa, não é? A camisa do evento levava 50% de fibra de pet reciclada na sua composição, posso dizer que aí o SWU ganhou pontos mas, por que os outros souvenirs não iam pelo mesmo caminho? Existem inúmeras empresas que produzem brindes com materiais totalmente reciclados como: caixas de leite longa vida, aluminio de latas de refrigerante, papel reciclado, etc. Seria bacana pensar nisso para o próximo.

    5) Os banheiros estavam imundos. Sim. Estavam e é óbvio que só poderiam estar, porque se não bastassem os bêbados sem mira, a escuridão impedia os sóbrios de verem onde se estava urinando. Além disso, faltou uma equipe de limpeza para de hora em hora, no mínimo, fazerem a assepsia.

    6) O alargamento das vias de acesso, já resolveriam boa parte dos problemas de trânsito em torno do evento, diminuindo os engarrafamentos e por consequência, a emissão de carbono.

    O festival me proporcionou uma experiência única e inesquecível de reunir inúmeras bandas e cantores(as) internacionais que sempre curti, no tête-à-tête sem precisar ir muito longe e gastar fortunas para isso. Porém, se falou muito do verde e se fez pouco por ele, de fato, essa foi a minha impressão dos dois dias que estive no festival. Essa é a grande questão a ser revisada para as próximas edições.

  20. Cai aqui de paraquedas, estava lendo o texto do Denis Russo quando vi um comentario seu e resolvi vir ler, nosssa seu texto é muito melhor, incrível os apontamentos e fatos, realmente é uma pena ver um evento que poderia ter se tornardo uma referência nacional e até mundial para outros virar este caos.
    Ponderando bem, não tem como um show desta amplitude ser PERFEITO, mas o mínimo que teriam de fazer era acesso a alimentação sem problemas, limpeza e principalmente contratar pessoas capacitadas com informações necessárias sobre o eventos, locais, horarios e tudo mais.
    Como alguem comentou no facebook, eu tb tinha empolgado de ir no evento quando vi as bandas, mas por este preço abusivo, nem RATM me convenceu a ir, pois sei que o gasto interno seria grande tb.
    Eu não fui mas achei um absurdo quando li que alimentos e água não poderiam entrar no local, ok…está certo que se fosse liberado alimentos tinha gente que iria montar barraquinha de espetinho lá, mas água ???? Alguns anos atrás quando os jornais e a mídia escreveu que no futuro teriamos de PAGAR para beber água muito acharam absurdo na época….. então o que vemos agora ??? Pessoas senso FORÇADAS a comprar água.
    É lucro de todo lado………
    Trouxa é quem caiu nesse de evento sustentável, HÁ … eu como designer quando me falam de sustentabilidade a única coisa que me vem a cabeça é LUCRO, não importa de que forma seja este lucro, NINGUEM NO MUNDO faz sustentabilidade sem visar algum tipo de lucro, visibilidade de mercado, propaganda, mídia… o ser humano não é BOM por natureza, não faz nada de graça sem pensar algo em troca, SUSTENTÁVEL é o marketing do momento.

    Parabéns ao Eduardo Fischer (sarcasmo!) por fazer muito bem seu papel de publicitário, ludibriar o mercado, vender um produto e entregar outro, contratar os fantoches para entreter o gado, fechar parcerias com empresas que fazem do mesmo pensamento de sustentabilidade como meio angariar lucro e deixar que a velocidade da informação e as mídias sociais fizessem o restante, propaganda em massa e gratuita, o famoso boca a boca aplicado à web.

    Será mesmo que irão ter a cara de pau de tentar um novo evento ? creio que sim…. basta mudar os fantoches e dar outro nome ao evento.

  21. Também dei minha contribuição http://bit.ly/clgwag

    Acham que a gente é trouxa

  22. Já fui em vários festivais no Brasil. Todos eles. Do Hollywood Rock ao SWU. Ok, todo os problemas relatados são verdadeiros, porém, apesar de tudo acho que ele ainda foi superior se o compararmos a humilhações-públicas como o TIM Festival de 2007, em São Paulo, onde não havia água para venda e o último show começou às 5hs.
    Há uma certa inocência em se acreditar que um festival idealizado por um publicitário será realmente sustentável.
    E não podemos esquecer o propósito principal que são os shows e as bandas chamadas que foram incríveis e que, por elas, valeu a pena por todo perrengue enfrentado.

    • Muito coxinha essa postura “por elas [as bandas], valeu a pena por todo perrengue enfrentado”.
      Se eu fizer um festival com as bandas que você mais gosta e o ingresso for te sodomizar com um pepino em chamas você vai achar que vale a pena?
      Tenha dó.

  23. Não estou considerando os comentários anteriores.

    Estacionamento: gostei da iniciativa de cobrarem um preço menor por carros mais cheios.

    Comida: nada sustentável. Como cobrar por água?

    Som: Me roubaram 40 segundos do show do RATM. Nunca perdoarei os responsáveis.

    Infra-estrutura: Ninguém sabe, ninguém viu, reclama não, senão o chefe não te paga.

  24. eu tinha convite pra ir. mas vendo os desastres organizacionais já no contato com duas organizações das quais façoparte, duvidei da sustentabilidade. alguns colegas acreditaram e quebraram a cara já ao chegar, conforme denunciei no dia 09:
    http://asbicicletas.wordpress.com/2010/10/09/swu-a-fara-da-utentabilidade/
    a organização entrou em contato com diversos grupos de ciclistas, claro, querendo organização gratuita de bonde de ciclistas para lá. a turma chegou e tinha algum lugar para parar as bikes? começou por aí a cair a máscara.

    foi enganação, foi só um jeitinho de ganhar mais grana em cima de gente que eles fazem de bobos. mas isso é o mundo da publicidade.

  25. Concordo com muito do que foi escrito, mas só queria ressaltar que achei bem legal aquela tenda com as ONGs; bem interessante ver trabalhos como os da Artemista e o daquele projeto que começou no Chile, de construir casas baratas.

    • Passei nas ONG’s tbm, mto legal, valia a pena parar lá! mas o mais legal mesmo foi ver a galera das ONG’s falando “esse festival é uma palhaçada”! hahahahaha

  26. SWU, eu não fui…graças a Deus!\o/

  27. Fui apenas no dia 10 e concordo com os comentários sobre as contradições do evento que dizia lutar pela sustentabilidade. Fiquei muito decepcionada ao perceber, logo na entrada, a mentira e a tentativa de otimização de lucros sob o pretexto de salvar o planeta. Uma pena.

  28. Maior lixo da história em termos organizacionais

    http://www.esportevantagemcompetitiva.blogsports.com

  29. Para mim o SWU foi só um lugar para encontrar os amigos, assistir shows fodas e se divertir. Objetivos alcançados com êxito.

    Sério mesmo que alguém acreditou naquele papo de sustentabilidade?

    Claro que tem várias coisas que podem melhorar em 2011. Algumas sugestões que seriam bem legais vocês mesmo citaram no texto: bebidas mais em conta, maior variedade de comida, acabar com a área premium.

    Mas o que tem de nego reclamando de boca cheia não está brincadeira. Tem gente reclamando até dos banheiros, como se fosse possível manter banheiros químicos limpos para 150 mil pessoas.

    Coisas simples podiam ter sido feitas da nossa parte para diminuir os contratempos: comer e beber antes de sair de casa, deixar o carro na garagem e alugar um onibus ou van com uma galera (fiz isso e não tive nenhum problema com transporte), levar menos coisa na mochila (para fazer a fila da entrada andar mais rápido, tinha gente até com cargueira por lá).

    Tudo o que vi e experimentei de estrutura por lá considero que foi razoável para um evento desse porte.

    Gente que vai num festival que fica no meio do mato pensando que está no Credicard Hall… tsc tsc.

    • ulisses barbosa |

      quantas pessoas havia no planeta terra 2008?
      pq os banheiros estavam impecáveis até o final do evento.

      e isso não é desculpa. convidaram 150 mil pessoas? providenciem banheiros para 150 mil pessoas.

      é bem simples.

  30. sinceridade: só valeu pelo show, pq o resto foi desrespeito. Mas sabe o que é pior? foram os erros primários cometidos, e por uma equipe que tinha grana e o minímo de conhecimento para realizar um festival sem tantas falhas. Agora, se alguém acreditou desde o ínicio q esse ‘festival’ seria pró sustentabildade, merece um “ACORDA!”, pela amor de Deus, estava mais que estampado que era mais uma apropriação do tema, convenhamos?! No dia q o Fisher tiver em sua história ações ligadas a sustentabilidade, ele vai entender o que isso realmente significa. Deixou a desejar MUITO!

  31. Fui no dia 10 pro festival e preciso dizer que as críticas são pontuais. A organização do evento tinha, definitivamente, um objetivo sustentável*. O mais ridículo foi ver, antes do último show, um infeliz tentando fazer um discurso em prol da sustentabilidade em tom de protesto. Eu, por ter viajado por volta de uns 200km pra chegar no festival e ter desembolsado uma grana considerável até aquele momento, tava de saco cheio!
    Vendo os preços dos ingressos e todas as opções que estavam ao nosso dispor no evento concluo que não chegaram nem perto do objetivo que gostariam de atingir no evento e tenho plena consciência disso, ou talvez, como opção principal, tenham conseguido e nós é que fomos enganados.

    PS: no asterisco(*) troque a palavra por rentável e esse festival fará mais sentido pra todos nós.

  32. Acho engraçado esse bando de Insiders, que estavam todos enchendo o saco da organização pois queriam acesso premium, backstage, camping premium e todas as comodidades possíveis. Todos eles tiveram acesso a informações privilegiadas, participaram de eventos exclusivos, queriam mesmo ser paparicados. Agora, após o evento que realmente falhou em muitas coisas, ninguém é capaz de fazer um balanço do que realmente foi bom e o que realmente foi ruim.

    Ouvir um imbecíl como o Gustavo Gitti, dizer que foi obrigado a apagar uma mensagem no twitter, sem realmente explicar a idiotice que ele fez para que esse pedido chegasse a ele, me da nojo. Bicha enrrustida.

    O SWU errou sim, mas a hipocrisia desses insiders metendo a boca no festival agora, depois de exigirem todos os tipos de privilégios, para não se queimar com o público e manter as suas coluninhas, me da nojo. Bando de babacas.

    Eu estive no SWU, também concordo que erraram muito, mas acredito que isso possa ser o começo. Vi muitas coisas boas por lá, muitas.

    Para quem não foi, uma pena. Poderia estar tendo a sua própria opinião, ao ivés de ser uma “maria-vai-com-as-outras”.

    Eu fui. Muita coisa boa, muita coisa ruim. Mas eu tenho a MINHA opinião, e acredito que as coisas possam ser diferentes. Algumas vezes, é preciso errar para aprender, e fazer diretio depois.

    • Isso mesmo!!!!! Reclamar, colocar defeito, falar mal, etc…, é muito fácil!!!!! O difícil é trazer para o Brasil (em um mesmo evento e/ou festival) bandas como RATM, QOTSA, A7X, Incubus, Cavalera, dentre as outras que vieram (pq são muitas, né? E isso não se fala de jeito nenhum!!!!!) fizeram parte do maior festival feito no Brasil depois do Hollywood de 93!!!!! Problemas ocorrem em todos festivais e em qualquer parte do mundo. Reclamar pelos preços dos sanduiches, bebidas, camisas do festival até vai, mas reclamar de TUDO é brincadeira!!!!! O que eu vi neste festival foram as bandas que mais sou fascinado bem na minha frente… tô anestesiado, tô perplexo até agora… esse evento vai ficar na minha memória pra sempre…
      VALEU “SWU” POR ME PROPORCIONAR A MAIOR EXPERIÊNCIA MUSICAL DE TODA MINHA VIDA COM AS MELHORES BANDAS DO MUNDO!!!!!

    • Cara, que merda se falou hem, Fábio? Sem saber das coisas não julgue os Insiders sem saber o que eles passaram. Essas coisas que você disse que nós queríamos em nenhum momento pedimos, foi a organização que nos deu e no mesmo nível que a imprensa: credencial e pista premium. Ponto.
      Teve insider que saiu do barco antes porque não achava certo o que tava rolando. Teve insider que resolveu pagar pra ver e se fodeu (eu e alguns outros) e teve insider que foi, gostou e falou, assim como criticou.

      Tudo que você falou cai por terra em saber que não exigimos nada e não tivemos privilégios além da imprensa. Procure se informar antes de criticar.

    • Pois é Marcos Xi, EU SEI o que estou falando…
      Vocês exigiram sim um monte de coisas. Talvez não todos, mas uma boa parte queria privilégios, e agora fazem um discurso politicamente correto para não perder “seguidores”.

      Se liga…

    • É Marcos Xi, se informe com os seus colegas sobre os pedidos deles antes de falar besteira!

      #eticadosinsidersFAIL

  33. Bicicletário?

    ME POPE.

    Chegamos de caminhonete diesel desregulada,daquelas bem fumacentas, rebocando um pinguim coberto de petróleo, crucificado num pau-brasil.

  34. Post fantástico.

    Pasme: semanas antes do evento, um dos organizadores me confessou nessas palavras via Gtalk: “o evento é caça-níquel mesmo, mas o mundo é capitalista, fazer o que?”.

    Sem mais.

  35. Alguns comentários que não vieram à tona…

    – a organização usou placas humanas para indicação do local. Homens com camiseta amarela ficaram no sol, sem guarda-sol, nem boné nem nada, apontando a estrada…imagino a situação trabalhistas dos mesmos… RPA ou prestação de serviços?? Pilar humano da sustentabilidade avacalhado…

    – para cosumir uma cerveja você tinha que ter pego a fila para comprovar que vc tinha 18ou+, ter uma pulseirinha rosa, e daí ir comprar a cerveja, que como foi dito era mais cara que preço de balada, só tinha Heineken (claro, patrocinadora) e desperdiçava o tal do copo.Maaassss, se você fosse na pista tinha

    • RPA ou prestação de serviços??

      O que vc quer dizer com isso???

      VC É FISCAL OU COISA PARECIDA!

      ISSO AQUI É MATÉRIA PAGA DE QUEM HEIN>>>

  36. evento sustentável de cú é rôla. é uma vergonha que o primeiro grande festival brasileiro já venha embalado em publicidade falaciosa e aliciamento de valores ambientalistas. bem que a naomi klein tinha me avisado!

  37. Querem um show perfeito, sem falhas e sem incomodações?
    Assistam um show do Rush.
    Eu vi e recomendo a todos.

  38. Não teve microfonia no show do QOTSA, o problema foi o atraso e a falha dos telões no meio do show

  39. TINHAM CAMELÔS VENDENDO A MESMA CERVEJA (comprada do patrocinador), SEM O TAL DO COPO (daí tudo bem matar um com a latinha…) e MENORES DE IDADE PODIAM COMPRAR POIS NÃO PRECISAVA DA PULSERINHA. Vi vários menores alcoolizados… e de novo, a situação trabalhistas dos tais vendedores???? contratados pelos patrocinadores???? ILEGAL E IRREAL!!!

    – mais ilegalidades: as barracas não davam troco. Você tinha que pegar de noooovo a fila para trocar as fichas… É ILEGAL, O COMERCIANTE É OBRIGDA A DAR TROCO OU O PRODUTO DE GRAÇA!! (peguei 3 cervejas de graça, no grito, citando o códito de defesa do consumidor…)

    Enfim, NESTLE, COCA E HEINEKEN SABEM E ENTENDEM BEM DE SUSTENTABILIDADE!!! Cabe a mim, que acredito e milito a favor da sustentabilidade, não consumir mais produtos destes fabrincantes. FAÇA A SUA PARTE!!

    • As barracas davam troco em ficha sim. Todas que fui me devolveram. O lance dos vendedores “ambulantes” foi foda pq eles começaram a colocar o preço deles. Tinha nego pedindo 7 reais numa água! Mas é fato, para comprar com eles não precisava da burocracia da pulseira.

  40. Olha só a contradição da maioria! o Tal SWU tem muitos defeitos sim , mas se através de um festival de musica consegue colocar no radar de todos o papo sobre sustentabilidade JÁ VALEU MUITO- pela net dava para ver o Forum e os papos foram quentes!! Nestes últimos dias SP teve muitos shows e nada disso foi discutido. E os problemas os mesmos – Fila , transito , preço alto – e o residual – nenhum – Outra coisa – pelo que já li , os caras colocaram 150 mil cabeças em ITU – porra! FODAAAA!

  41. Mariana Brandão |

    Bom gente eu estive lá os 3 dias e não achei que a ideia de sustentabilidade do festival foi aplicada efetivamente. No primeiro dia eu desci pra procurar um objeto que meu amigo tinha perdido e encontrei toneladas de lixo espalhadas na frente do palco. Tinham pessoas catando o lixo, porém se não existia a possibilidade de ganhar desconto com a reutilização do copo de plástico (como muitos acharam que teria) então faltou muito latão de lixo. Não havia quase nenhum próximo aos palcos.
    O meu maior incômodo foram as enormes filas pra entrar e a proibição de cosméticos, remédios, cigarros abertos e alimentos na entrada. Eles estavam incitando a raiva do povo proibindo de entrar com comida e vendendo espetinhos e pizzas (mini) lá dentro por R$8.
    Eu Fui ao SWU pra assistir aos shows. Admito que não sou ligada no tema sustentabilidade. Os shows tiveram ao meu ver o problema do QOTSA e do RATM. Esses foram os graves problemas. O volume variava ali e aqui mas não me incomodou.
    Se for existir o próximo SWU o camping tem que ter uma infra-estrutura melhor, as entradas tem que ser maiores para diminuir fila, não poderão esquecer de pensar melhor e resolver o problema da comida e bebida com preços absurdos e terão que arrumar uma forma de aplicar o tema sustentabilidade no evento (ou não levantar essa bandeira de uma forma tão mal feita). Esses foram os maiores problemas que ao meu ver precisam ser corrigidos para uma próxima edição. O resto paciência também! Tinha muita gente ali. Essas são sugestões para o próximo ano que eu espero muito que exista, seja melhor e insira o brasil no eixo dos festivais.

  42. Universo Paralello não tem nada de barato, os preços da praça dealimentação são os mesmos de um shopping, porque o enento fica com 30% do que é vendido lá dentro.

  43. Pagar caro por um ingresso, e não conseguir ouvir o som da sua banda preferida, não tem preço.

    Não ir no show, não pagar nada e depois assistir tudo pela net, não tem preço.

    Swu vtnc.

  44. Pra deixar de ser otário, bando de mauricinho e patricinha, tudo filhinho de papai e acha que vai mudar o mundo, vao lá, torram a grana do papai pra dizer que é descolado e consciente, mas compra roupinha de marca e fode com o mundo.

    Parabéns. E a autora ainda queria ferrar mais ainda sugerindo que a comida vegetariana fosse incentivada.

    Vai a merda, negocio é comer carne sem frescurite.

    • HEHEHEHE… Falou e disse, Lucas… enquanto esses mauricinhos e patricinhas torram o dinheirinho do papai com roupinhas caras, eu trabalho e torro “MINHA PRÓPRIA GRANA” com esses shows de rock… e sem reclamar, claro!!!!!

    • Cara, vc viajou hein… Aposto que do gueto vc não é, mas também não pôde ir e ficou com invejinha… E acho que se eu olhar no teu armário não vou encontrar nada na Nike, Adidas, Puma e afins não né? Mas foda-se né? Eu fui com a minha grana e curti.

  45. Concordo em gênero número e grau com o lance das canecas de plástico. Aqui na Unicamp somos incentivados a utilizá-las, ao invés, dos copos plásticos. Lá, em um evento com o mote da sustentabilidade, ver um cara abrindo uma lata de cerveja e a despejando em um copo plástico, com certeza, foi de doer!

    No entanto, como temos que ver o lado bom de tudo, um grande aplauso para os artistas que estiveram lá, e fizeram a alegria da galera! =D

  46. Olha, esses problemas de som baixo e abafado não existiram, pelo que eu percebi. Subi na grade e ouvi muito bem o Linkin Park, mas quando desci pra multidão ouvia tudo abafado mesmo, é como se o som passasse por cima da multidão, não chegava nos ouvidos de quem é mais baixinho, como minha pessoa :P

  47. Parabéns a Isabella Ianelli e Gustavo Gitti pelo senso crítico e excelente trabalho jornalístico. Créditos também à Mônica Fadul (@nikafadul), que postou o link no twitter e me levou a ler a matéria. Felizmente, não fui ao SWU e raramente vou em eventos como esse, por um simples motivo: não é qualquer merda que me agrada. Assim como o carnaval, micaretas, Rock in Rio e as mais diversas festinhas “arrasta-manadas” que vemos por aí, o SWU, pelo que li, não passou, como o esperado, de um falso festival, e convenhamos que no Brasil são raríssimos festivais que fazem jus ao título. Ademais, o que se vê hoje em dia nessa terra tupiniquin é meia dúzia de empresários “ignorantes” (pois são os caras que têm a brilhante idéia de ganhar dinheiro com a ignorância dos outros) fabricando verdades por meio de discursos fajutos com o suporte da mídia (e, do dinheiro, é claro) e 150 mil pessoas acreditando nelas. Acorda Brasil! Movimento social nunca foi e nunca será sair na rua gritando, cantando, vestindo camisetas ou alçando bandeiras por aí, muito menos gastando dinheiro com merda. Pelo contrário, se quiser causar algum rebuliço, experimente não gastar dinheiro com merda (movimento pão-durismo) e verá como as coisas mudam (rsrs). O primeiro movimento dever ser intelectual, principalmente não aceitando cachorradas e baldes de merda que andam aparecendo na TV ou na Internet. Já passou da hora de “querer o brinquedo do coleguinha” ou de “querer fazer parte da turma pop”; de onde vem o que chamo de “Brasileiro Bob Esponja”: basta colocar um som (ruim) na praça, cobrar ingresso, ter área VIP e lá se vai a multidão, como gado para o abate e com um sorriso no rosto dizendo: Eu fui! Enquanto isso…

  48. Isso mesmo!!!!! Reclamar, colocar defeito, falar mal, etc…, é muito fácil!!!!! O difícil é trazer para o Brasil (em um mesmo evento e/ou festival) bandas como RATM, QOTSA, A7X, Incubus, Cavalera, dentre as outras que vieram (pq são muitas, né? E isso não se fala de jeito nenhum!!!!!) fizeram parte do maior festival feito no Brasil depois do Hollywood de 93!!!!! Problemas ocorrem em todos festivais e em qualquer parte do mundo. Reclamar pelos preços dos sanduiches, bebidas, camisas do festival até vai, mas reclamar de TUDO é brincadeira!!!!! O que eu vi neste festival foram as bandas que mais sou fascinado bem na minha frente… tô anestesiado, tô perplexo até agora… esse evento vai ficar na minha memória pra sempre…
    VALEU “SWU” POR ME PROPORCIONAR A MAIOR EXPERIÊNCIA MUSICAL DE TODA MINHA VIDA COM AS MELHORES BANDAS DO MUNDO!!!!!
    Ano que vem, se tiver a segunda edição, eu vou estar em Itu de novo!!!!! Lógico!!!!! E aposto quem está com essa reclamação toda também vai estar!!!!! Aposto!!!!! Vejo vocês lá o ano que vem, viu? Abraços a todos os “RECLAMÕES” hehehe…

    • Fanbois adolescentes mais fascinados pela visão dos seus ídolos do que preocupados com a sustentabilidade prometida e explorada, com o interesse coletivo e etc, não são novidades pra ninguém, pelo contrario: é algo tao antigo que aos poucos entra em extinção (basta ver quem é a minoria por aqui).

  49. Concordo na parte da falta de sustentabilidade.
    Eu vi quase nada de lixeira colorida, pra reciclável.
    O porta-bituca eu só recebi no dia 11 e muita gente não recebeu.
    Acho que poderiam ter deixado entrar com comida, principalmente frutas e biodegradáveis. E a idéia da distribuição de canecas seria ótimo, realmente tinha muito lixo.
    No mais o som tava ótimo, salvo um momento ou outro, e o preço das bebidas é igual a qualquer festival: Planeta Terra, Skol Sensation, Tim Festival, etc.
    Os banheiros apesar de sujos, como qualquer banheiro químicos, eram muitos, e mesmo no intervalo dos shows não tinha fila.
    AINDA BEM que eu fui e vi minhas bandas queridas.
    Nunca que ver em casa seria melhor.
    RATM, Dave Mathews, Incubus, KOL, Linkin Park… pode baixar o vídeo aí e tentar sentir o clima de lá.
    Meus amigos todos reclamaram do frio, do lixo, da comida cara, mas no fim acharam o evento incrível.
    Quem não foi eu lamento mesmo.

  50. Vanessa Maldonado |

    vc e esse cara deviam ter um blog juntos
    http://acessototalrevista.org/?author=18

  51. MEU AMG, EU NAO COMO NO GORDÃO NEM NO DESESPERO DA FOME, QT MAIS NO MEIO DE UM FESTIVAL COM 50 MIL PESSOAS

  52. O problema maior do SWU, na minha opniao, é que com as “coisas legais” a gente boiada acaba esquecendo dos problemas e achando “tudo normal”, que “tudo faz parte”.

    Entendo que foi o primeiro bla bla bla… que há o que melhorar… bla bla bla.

    Mas concordo com tudo q foi dito aqui. Algumas falhas na organização, foram falhas primarias demais!

    Agora, acredito que cabe a nós enxergamos também os erros dos humanos aqui! Nossa queria falta de educação!

    Quer um exemplo: homens INVADINDO o banheiro feminino.
    Nem reclamo da limpeza e “lotação” que para falar a verdade me surpreenderam positivamente. Mas entrar no banheiro e ver todos os homens fora da cabine mijando como se não houve amanhã…. qndo o banheiro masculino era do lado – DO LADO! – do feminino????

    Não adianta colocar a culpa só nos outros, né?
    A gente também é mal educado para caramba.
    #vergonha

  53. Por de tras do teclado aguardando para COLAR noticias cujo o qual obviamente lhe trarão acessos ou seja “blogar” é muito fácil formalizar criticas agressivas tais como esta, difícil mesmo é idealizar um evento desta magnitude sem ter por tras um “CTRL C” + “CTRL V”. O objetivo de se tornar milionário do idealizador foi alcançado as criticas serão inválidas a esta altura. Também entendo a sede do “blogueiros” em obter acessos em seus BEM-DITOS blogs eles também precisam faturar com ADS, mas tenho certeza que a internet seria bem melhor sem estes críticos de primeira viagem disfarçados simplesmente no desejo de FATURAR, seja dinheiro, fama ou sexo. Mesmo que seja criticando oq fazem de melhor.

  54. Quase perdi o show do Crashdiet, banda que foi ao palco as 15:45h do dia 11, pois apesar de ter chegado ao local CEDO como ‘mandava a regra’, fiquei quase duas horas esperando em uma fila absurda onde te revistavam “3 vezes”: a real foi que haviam pouquissimas pessoas trabalhando nas catracas e nenhuma preocupação com o aglomerado de gente se espremendo pra entrar. Além disso me apalparam até a alma mas mal olharam minha bolsa, passei por TRÊS REVISTAS e mal abriram minha enorme bolsa. Deveria ter levado água e comida pra traficar lá dentro.
    Fora isso, bandas [entre aspas] “menos importantes/conhecidas” não tiveram NEM PASSAGEM DE SOM [isso me foi dito pelo próprio baixista do Crashdiet, cujo som realmente estava com problemas].
    E sem mencionar, óbvio, a IMUNDICE que foi esse festival, os preços exorbitantes e a palhaçada em geral. Fui pra ver duas bandas, Crashdiet e QUEENS OF THE STONE AGE! PAGUEI essa m*rda, passei frio, dor de estomago e irritação pra quê? praticamente perdi o show de uma e o da outra atrasou uma hora e teve um milhão de problemas técnicos.
    ODIEI o SWU. Foi dos eventos menos sustentáveis que já fui na vida, e não adianta esse bando de palhaço idealizador tentar maquiar isso com discurso, flashmob e o car*lho. Tá todo mundo insatisfeito e com muita razão. Adorei poder vir aqui e me juntar a vocês na indignação.

    Abraços!

  55. Muito bom o post! Também falamos sobre o assunto. Um abraço!

  56. Isa, muito prazer. Meu nome é Raoni e escrevo no blog http://rosapapel.blogspot.com/

    Isa, estive “ligado” a organização do SWU até ele mudar de nome e se chamar SWU. Até dois meses antes da divulgação do evento ele iria se chamar WOODSTOCK. E após milhares de reuniões e muita discussão foi decidido que o nome SWU mais a ideia de mundo sustentável traria muito mais dinheiro que WOODSTOCK.
    É triste pensar que 150 mil pessoas gastaram os olhos da cara num festival tão capitalita e sujo.
    Grandes músicos, talvez grandes shows. Não fui, senti muita vontade de ir, mas recusei-me a participar de algo que não concordava.

    Suas críticas são boas e muito bem escrita. Voltarei ao seu blog mais vezes.

    Muito obrigado,

    Raoni Moura

  57. Animal teu blog!!!
    Mandei emails pras empresas que são cliente do Sr. Fischer dizendo que não mais consumirei seus produtos enquanto eles tiverem contratos com o Grupo Totalcom.
    A Coca-Cola ligou aqui pra perguntar o pq…

    Lista dos clientes do Grupo Totalcom:
    http://totalcom.com.br/clientes.aspx

    Meu, o Mr. Fischer tem como cliente a Monsanto… como não vimos isso antes??? CLARAMENTE alguem que trabalha com a monsanto está pouco se f*&$@#& com sustentabilidade…

    • Felipe,

      Os presidentes das duas organizações de sustentabilidade que foram consultadas pela organização do SWU (Ecod e Visão Sustentável) nos recomendaram EXATAMENTE o que você fez em entrevista ao PapodeHomem: consumo consciente, não comprar de empresas com práticas ruins.

      Meus parabéns por sua atitude.

      Abraço.

  58. Olá! Concordo com todas as observações, muito bem feitas. Fui nos 3 dias, de pista comum, comprada. Vou aproveitar este espaço pra complementar suas observações e deixar as minhas.
    A idéia de se fazer um festival sustentável seria realmente muito boa se os próprios organizadores acreditassem nela. Logo na entrada, meu amigo foi barrado pq estava entrando com uma caneca. Ao questionarmos o segurança, alegando a sustentabilidade em não se usar vários copos, tivemos a seguinte resposta: “Isso não funciona na prática.” Sustentabilidade FAIL começou com a falta de crença dos prestadores de serviço. Consegui entrar com a minha caneca e me orgulho em dizer que não utilizei nenhum copo plático e qdo não usei minha caneca, guardei a lata no bolso externo da mochila e joguava fora qdo avistava um lixo, item raro no festival “sustentável”. Pelo menos não fui cúmplice daquela sujeira interminável!
    Gostaria de enfatizar, que o valor da água – R$ 4,00 – era por uma garrafa de 300ml (!!!) da marca Nestlè, um dos patrocinadores (?) do evento. Mesma marca que cobrou R$ 5,00 por uma pacote de bolacha e sei lá qto pelos chocolates. Consegui entrar com snacks todos os dias, “mocozados” dentro da mochila. Somente no primeiro dia tive que deixar um pacote de bolacha mas consegui entrar com um de salgadinho.
    Espero que todas essas falhas sejam de “principiante” e que no ano que vem, se houver mesmo outra edição, eles levantem a bandeira da sustentabilidade com fervor ou assumam o lado capitalista de uma vez!

  59. Ninguém pode negar que a estrutura, no geral, estava fantástica! Atrações muito bem escolhidas. E os banheiros, pelo menos os ao lado da tenda Heineken, estavam limpos o tempo todo, com papel, inclusive!
    Muitos baixos, mas com seus altos, com certeza!

  60. Parabéns por agregar tantas vozes na mesma página. Mais do que “um bando de reclamões”, como são acusados, acredito que vozes de oposição são importantes para formação de massa crítica, já que os principais canais de comunicação não abrem espaço para reflexões mais profundas.
    Gostaria de contribuir com um texto que escrevi a respeito do SWU e do discurso da sustentabilidade como um todo:

    http://www.tiradoserio.com.br/blog/2010/10/sua-vida-vale-menos-que-uma-garrafa-pet/

    abs!

  61. Há pessoas que dizem que os shows foram ótimos e que não viram nada demais.

    Eu também, se pensasse apenas com meus interesses pessoais, não teria escrito nenhuma crítica.

    O evento foi impecável pra mim: comi uma só vez, não fui ao banheiro, não acampei, ganhei credencial de imprensa e um ingresso pra minha namorada (que não pedi, me ofereceram), vi os shows, entrei numa boa, saí numa boa, peguei água de graça…

    Como festival, ok, foi um festival. Como já disse, estamos julgando o SWU pelo que ele insistiu ser: um movimento. Eles ficaram o tempo todo com essa linguagem de “vestir a camiseta do movimento”. Sabe, isso é pura enganação, é errado, não podemos aceitar e agradecer.

    Aliás, eu só fui chamado como insider justamente porque não era apenas um festival, caso contrário não faria sentido chamarem o Não2Não1, um site sobre relacionamentos, não sobre música (ainda que eu seja músico).

    Falar que os shows foram ótimos e xingar quem reclama como se fosse gente insatisfeita e chata… Isso não ajuda. É importante deixarmos claro que não estamos comprando essa mentira. Isso não tem nada a ver com os shows, mas com o SWU como um todo. Se abaixamos a cabeça, agradecemos, dizemos que vamos voltar, nada muda. Mas infelizmente parece que é esse o caminho das coisas… E é responsabilidade de quem se deixa enganar e desrespeitar, não apenas de quem se aproveita.

    O próprio Eduardo Fischer (http://www.propmark.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=propmark&infoid=60999&sid=2) disse que só começou algo ligado à sustentabilidade e ao entretenimento porque pesquisas indicaram esse caminho. Ou seja, a motivação é totalmente falha.

    E se tem gente que acha que o SWU fez muito bem e que não há outro caminho para fazer algo tão grandioso sem envolver tanta exploração comercial, deem uma olhada nisso: http://pt.wikipedia.org/wiki/Festival_de_Roskilde

    Abraço.

  62. com exceção do lila prasada (com ótimos vegebúrgueres e pessoal gente boa) a comida tava mto ruim mmo.

    • Pois é, adorei essa barraquinha! A comida tava boa, a galera tava sempre educada e sorridente! Juro que foi a única coisa que eu não me importei de comer!

  63. se eu ganhasse ingresso pra esse evento, como concorri no uol, teria vendido!!!

  64. Achei uma pura falta de respeito!!!! SWU FAIL!!!!!

    Colocaram sim 150 mil pessoas lá dentro, + colocaram idealizando e vendendo uma idéia totalmente IRREAL. Responsabilidade social?? Sustentabilidade?? Woodstock?? Desculpa + ONDE???? Não vi nada disso e concordo com tudo que a Isabella e outros postaram por aqui.Tudo desculpas por mais midia, mais renda e mais palhaços para participar deste circo.

    Você não pode vender algo que não vai cumprir, certo??
    Respeito ao consumidor…. e desculpa + conseguir grana do governo para abater impostos e conseguir a lei Rouanet e não chegar nem PERTO de cumprir com as responsabilidades sociais……
    E fato….. reciclar lixinho, isso todo mundo já aprendeu na escola, quero ver nego aprender a reduzir a quantidade de lixo… ai sim.

    Fomos enganados na cara dura e nego fica falando bem só porque viu sua banda favorita.
    E o fato dos palcos serem baixissimos e fora da altura padrão de festivais e shows??? E o som que estava baixissimo, com microfonia e falhas???

    Temos parar de ser trouxas e viver no mundo matrix enchergando só o que queremos ver para o nosso próprio bem e deixar nego se aproveitar de nossos direitos. CHEGA!!!!!!!!!

    Pensa bem…. porque acham que até hoje não existem nas ruas carros movidos a lixo, agua, ar, eltricidade ou sei lá!!!??? Por que eh caro produzir??/ NÃOOOO porque tem muito FDP que esta no topo por causa do petroleo…… as coisas só vão mudar quando largarmos de ser TROUXAS e passar a enchergar a verdade que esta logo ali na nossa cara.

    SWU 2011, eh bom que melhore e MUITO e principalmente, que ser sustentavel, SEJA. Quero ver eliminar as latinhas…. simples, usem barris de chop que vc não produz mais lixo. Alimentos….. existem muitos alimentos que não precisam de embalagem. Que permita a galera entrar com teus alimentos ou então AVISA a galera no site que não eh permitido a entrada e evite jogar comida fora enquanto tem gente passando fome, e que lá dentro o custo será de x reais. O que vi de gente que não tinha mais $, e o cartão não passava mais e estava lá morrendo de frio e com fome….
    Responsabilidade social… que tal pensar nos funcionarios, e que tal AVISAR a galera de que em ITU era um tal de sol de rachar e um frio de dar hipotermia….???

    Coisas tão simples que SIM, são possiveis de ser conroladas e planejadas com antecedencia se você utiliza pessoas profissionais responsaveis, preparados para um evento de tal porte e não fdp atrás que só quer encher o bolso.

    • Cara, concordo em partes. O fato de não poder entrar com comida, por exemplo, foi deixado muito claro no site. Acontece que as revistas, pra variar, eram uma incógnita, então acho que teve muito mais gente tentando passar ou achando que não ia ser pega do que gente desavisada. Em relação ao sol e ao frio, desculpe, mas discordo… acho que até seria simpático se tivesse algum tipo de informação sobre o clima, mas a meu ver, esse é o tipo de coisa que você precisa correr atrás, como você faz no seu dia-a-dia. Além disso, na lista de recomendações de objetos para levar, estava sim protetor solar, boné e óculos escuro. Mas é só pensar um pouco também né, vc vai passar mais de 12 horas ao ar livre desprotegido? Vi uma galera morrendo de frio às 3h da manhã, vestindo só bermuda e camiseta. Fala sério, isso pra mim já é BURRICE.

  65. O ano era 2001 e o Brasil entrava no circuito das raves realizadas em locais inusitados com o Ecosystem 1.0, em Manaus. O local foi uma pedreira abandonada, cercada pela mata amazônica, por onde passaram 45.000 pessoas em quatro dias de festa, com supervisão do Greenpeace, e com DJs brasileiros e estrangeiros. Lembro que a maioria dos materiais usados na construção vieram de material reciclado e que havia apenas uma pequena área “VIP” que era uma grande mesa com frutas e água grátis. Sem acesso a Facebooks, Twitters ou alguma rede social do momento, o evento ficou apenas na memória de alguns poucos.

  66. E a pergunta que não quer calar é: QUEM ABRIRIA MÃO DE IR?? Evento organizado e promovido por um publicitário dono de agência e galera achou MESMO q a pegada era “anti-consumo”??

    Em que mundo vcs vivem?

    Vcs já foram na Verdurada?

    Vcs deixariam de ver seus ídolos por causa de abuso de preço, falta de respeito ao consumidor e blablablá?

    O Rage Against tocou na bagaça sabendo que era um antro de marcas e patrocínio (inclusive o cachê deles não deve ser nada mal, hein..) e vc foi ver pq é fã das letras políticas, certo?

    Aí sempre tem nego q diz: AH, MAS SE NÃO FOR ASSIM, COMO VOU VER ESSAS BANDAS?

    E pergunto de novo: VC ABRIRIA MÃO DE VER SEUS ÍDOLOS?

    Vc vai deixar de pagar 500 conto pra ver o Paul Mccartney (sabendo q vai ser tudo absurdamente caro lá dentro tb)?

    Enquanto tiver público, organizador vai rir à toa e montar o evento com o mote que quiser..

    E imprensa vai sempre entrar credenciada (NA FAIXA) e vai poder fazer as críticas que quiser em seus blog, twitters e afins..

    Quer sustentabilidade? Há mais de 10 anos tem Verdurada, 8 conto, bandas sem cachê, rango vegano de graça pra TODOS..

    Abraço!

  67. VELHO!
    VAI PRA PUTA QUE PARIU!
    AQUI TA CHEIO DE GENTE QUE SO SABE RECLAMAR!
    HA QUANTO TEMPO NAO HAVIA UM EVENTO DESSE PORTE NO PAIS?
    QUANTOS SONHOS DE CRIANÇA NÃO FORAM REALIZADOS? DE PESSOAS QUE SONHAVAM EM VER RAGE… QUE TOCOU PELA PRIMEIRA VEZ NA AMERICA DO SUL… QUANTA GENTE IGUAL A MIM SONHAVA VER QUEENS QUE TOCOU A ULTIMA VEZ A ANOS ATRAS…
    FESTIVAL POR ACASO SAI DE GRAÇA?
    CAMBADA DE GENTE BURRA!
    NUM SABE SEPARAR UM MOVIMENTO DE UM FESTIVAL…
    O FESTIVAL FOI A MELHOR FORMA DE DIVULGAR O MOVIMENTO!
    PRA MIM ESSA GALERA QUE RECLAMA TANTO É UMA CAMBADA DE DESPEITADO QUE NUM TEVE GRANA PRA IR OU NUM CONSEGUIU APROVEITAR! AGORA CAMBADA DE FDP… SE ACHAM RUIM SWU… VAO PRO ROCK IN RIO OUVIR LADY GAGA… JUSTIN BIEBER… UM FESTIVAL EXTREMAMENTE CAPITALISTA SEM INCENTIVO ALGUM A MOVIMENTOS SOCIAIS SEM O MINIMO DE SUSTENTABILIDADE! PESSOAS RECLAMAM DE BARRIGA CHEIA! POIS PRA MIM FOI PERFEITO!

  68. O PEDRO MENEZES, logo acima, falou tudo, parabéns! Só pra acrescentar: o pessoal queria recriar um evento tipo Woodstock? Quanta ingenuidade das pessoas que caíram nessa! OS TEMPOS SÃO ABSOLUTAMENTE OUTROS!!! SUSTENTABILIDADE??? A maioria das pessoas nem sabe o que isto quer dizer ou só ficam repetindo o que ouvem por aí. Meu DEUS, tá tudo errado!!!

  69. Entra ano, sai ano e brasileiro continua se achando desmerecedor de algo bom. Vamos e convenhamos, eh possivel fazer Festivais, shows, hj em dia sem cobrar precos exorbitantes. A economia nao eh a mesma dos anos 80 e 90. O problema eh q nos, brasileiros, aceitamos tudo de cabeca baixa e isso eh fato!
    Foi-se o tempo em que saiamos as ruas exigindo nossos direitos. Se fossemos realmente exigentes em relacao as “falsas” mensagens, ha muito tempo haveriam feito movimentos e boicotado eventos como esse. La dentro mesmo, se fossemos bravos o bastante, poderia ter sido feito algo do tipo.
    Sou brasileira, faco a minha parte, mesmo que seja pequena em relacao ao conjunto, porem, ha de admitir que brasileiro eh mal-educado sim: por mais que ensinemos nas escolas (digo pois sou professora) o simples fato de jogar papel no lixo e a criancada tem preguica, joga do lado da lixeira mas nao dentro. E vai tentar insistir e ensinar o certo. Brasileiro eh acomodado sim! Se nao fosse, nossas ruas, parques, rios, praias seriam impecavelmente limpas.
    Educacao comeca em casa e deve ser levada para fora em todos os ambientes da sociedade. Educacao tambem quer dizer saber seus direitos e deveres e exigir seus direitos.
    Nosso pais tem total capacidade para fazer shows, festivais nivel de 1o mundo, com otimas estruturas sem precisar cobrar precos exorbitantes, mas como TUDO nesse pais respira LUCRO… Saude e educacao publica viraram comercio, como um festival desses tambem nao viraria?
    Tudo tem seu lado positivo e negativo e ha de se enxergar cada ponto, mas estamos longe de sermos um “publico” respeitavel…

  70. De sustentabilidade só mesmo pro bolso do Fischer.

    Absurdo verem abrir latinhas de cerveja e garrafas d’água pra colocar em copos. O evento só fez obrigar ao consumo excessivo e a grande produção de lixo. A limpeza na parte dos banheiros e restaurantes estava horrível, comida caríssima e água (300ml) a R$ 4 nem se fala, só faltou ser um assalto à mão armada mesmo. O palco estava muito mal posicionado, só conseguia ver as bandas mesmo quem estivesse lá embaixo e a hora em que abriam os chuveiros pros banhos também era muito tarde. SWU precisa melhorar e muito e muda logo a temática de vez, porque sustentabilidade não tem é nada. Capitalismo Selvagem!!!

  71. PESSOAL, NÃO FUI AO EVENTO, MAS FIQUEI COM MUITA VONTADE DE IR.

    PRIMEIRAMENTE QUANDO SOUBE ONDE SE REALIZARIA “FAZENDA MAEDA” JÁ SABIA A PEREGRINAÇÃO QUE O PESSOAL TERIA DE FAZER PARA CHEGAR ATÉ LÁ.

    EM SEGUNDO LUGAR O PREÇO DOS INGRESSOS ERAM IMPRATICÁVEIS E COMO NAS HAVES NÃO SE PODERIA LEVAR COMIDA NEM BEBIDA JÁ ERA PREVISTO QUE O VALOR DOS PRODUTOS LA DENTRO SERIAM ABSURDOS!

    EM TERCEIRO LUGAR SÓ CADA DIA TINHA APENAS UMA BANDA DE RENOME O RESTO ERA RESTO… NÃO FAZEM NEM A ABERTURA DE SHOWS IMPORTANTES EM LUGAR NENHUM DO MUNDO.

    COMPAREM… FUI AOS TRES MONSTERS OF ROCK 1994, 1995 E 1996 ERA ESTUDANTE DE FACULDADE E CONSEGUI PAGAR COM FACILIDADE OS INGRESSOS QUE VARIAVAM ENTRE R$25,00 E R$50,00 (PRIMEIRA EDIÇÃO) E AS BANDAS ENTÃO VOU POSTAR SOMENTE PARA VOCÊS PERCEBEREM A DIFERENÇA:

    1994
    Philips Monsters of Rock – São Paulo, Pacaembu – 27 de agosto de 1994

    Dr. Sin
    Angra
    Raimundos
    Viper
    Suicidal Tendencies
    Black Sabbath
    Slayer
    Kiss

    1995
    São Paulo, Pacaembu – 2 de setembro de 1995

    Rata Blanca
    Clawfinger
    Virna Lisi
    Paradise Lost
    Therapy?
    Megadeth
    Faith No More
    Alice Cooper
    Ozzy Osbourne

    1996
    São Paulo, Pacaembu – 24 de agosto de 1996

    Héroes del Silencio
    Mercyful Fate
    King Diamond
    Helloween
    Raimundos
    Biohazard
    Motörhead
    Skid Row
    Iron Maiden

    ME DESCULPEM OS QUE FORAM NO SWU, MAS ISSO OCORRIA EM UM DIA INTEIRO DAS 14:00 ATÉ A ULTIMA BANDA!!!
    NÃO TINHA CONFUSÃO E NADA MAIS ERA CHEGAR E CURTIR OS SHOWS DESTES MONSTROS DO ROCK.

    VOU DAR UMA DICA PARA UMA COISA: PROCUREM SABER QUEM SÃO OS PATROCINADORES DO FESTIVAL ANTES DE IR, QUEM É O PATROCINADOR E FINANCIADOR PRINCIPAL E QUEM É QUE ORGANIZA TUDO!!!

    GDE ABRAÇO A TODOS E SORTE NO PRÓXIMO EVENTO!!!

  72. Eu só sei de uma coisa.
    Esse BLOG é um lixo e é muito mais fácil fazer um POST do que fazer um EVENTO MONSTRUOSO deste.
    Se deu problema? DEU. As coisas saíram do controle? Saíram.
    Agora quem é você pra falar disso? No mínimo a construção de seu BLOG (que comparada à um evento é infinitamente menor do que mover um grão de areia) deveria ser ótima.
    Essa merda é um lixo, assim como o evento. Se toca! Fecha essa porcaria.

    • Ainda vou ter um dia, o discernimento pra entender essas coisas.
      “Essa merda é um lixo, assim como o evento. Se toca! Fecha essa porcaria.”
      Por que você se deu ao trabalho de comentar então?
      Acho que você é o Fischer disfarçado. oO

    • É por causa de pessoas como você Danilo, estúpidas e burras, que no nosso país acontecem essas merdas de eventos. Pense amigo, forme uma opinião, seja consciente. Para de ficar comprando pensamento.

  73. Faltou inteligencia e coerencia.
    – Fila pra pegar ingresso, outra fila pra trocar por pulserinha. 1:30h em cada, caso vc descobrisse a certa.
    – As pessoas acampadas, com quilos de bagagem nas costas, eram obrigadas a andar por mais de 2 km ate chegar das pulseirinhas ao camping, sendo que previamente passaram por algumas horas em filas, expostas ao sol, sem agua (nao vendia em lugar algum).
    – E Cade as lixeiras? Olha, procurei bastante, pq detesto jogar lixo no chäo… do lado de fora, achei 2, e nao acessiveis, pois estavam na boca do “caixa”. Ficou uma imundicie do lado de fora. Dava vergonha.
    – Dentro do evento, nao era muito melhor… tinha um pouco mais, mas ainda assim, muito poucas lixeiras… depois ainda li q falta educacao ao povo, pra aprender a jogar lixo no lixo…
    – Dentro do camping tinha uma coisa muito boa pra deixar a gente bem acostumado com as filas! Vc trocava dinheiro por dinheiro, pra consumir lá dentro! Genial!

  74. Teve uma outra coisa, esta hilária… ok, nao podiamos entrar com bebidas nem comidas na area dos shows, mas certa noite, fui abordada na entrada, perguntando se eu tinha bala, chiclete ou batom, pq era proibido… Perguntei se era brincadeira, e nao era! A justificativa da minha revistadora foi… “ah de repente, rola uma briga de mulher, e uma pode riscar a cara da outra com baton, pode ate machucar, se quebrar um caquinho!” rsrsrs
    Tenho q impressão q eles confundiram repressão a “balas e doces”, com proibição de Trident e Tic Tac!!

  75. E daí? O evento lotou, e a uma hora dessas eles já estão bem longe com o dinheiro. Eles faturaram no hype, pra quem organizou é um sucesso total. Mesmo que não tenha outro no próximo ano. Quantos festivais são anuais no Brasil, afinal?

    Tava na cara que esse evento é uma farsa. Eu percebi isso no primeiro anúncio dos preços dos ingressos. Por outro lado, usar o mote da sustentabilidade para conseguir patrocínio das grandes empresas e apoio do governo, sendo que 90% das pessoas que foram saíram sem saber o que é isso… Cereja no topo do bolo!

    O povo reclama, mas paga.

  76. Só andei 4 horas para chegar ao estacionamento. Os ônibus foram abduzidos. ¬¬

  77. Desorganizado? Sim, tudo que acontece pela primeira vez tem confusão, mas aposto que a senhorita estava curtindo pelos shows que rolaram.
    Decepções temos muitas, nem sempre as coisas são do modo que queremos.

  78. O que você prefere a abortar ou ir mais uma vez no SWU?
    aushauhsuahsauhsuahsuah.
    Valeu ae Deus!

  79. Olá Isabella.

    Queria lhe dar os parabéns pela postagem, por levantar essas todas essa falhas pós SWU. Inclusive fiz uma postagem deste show de “greenwashing” nacional fazendo uso incorreto do tema sustentabilidade e citei seu link como complemento. Se quiser pode conferir aqui http://bit.ly/aq5TAB

    Mais uma vez meus parabéns e grande abraço,

    Bruno.

  80. Olá Isabella,
    Gostei do seu texto, principalmente por você ter coletado várias outras críticas e relatos.
    Escrevi um texto *gigantesco* no meu blog relatando como foi o SWU pra mim e também com várias críticas:
    http://dbarbosa.me/2010/10/20/como-foi-o-swu/
    Eu fui para assistir os shows, achando que toda essa história de sustentabilidade não passava de marketing e já preparado para todo tipo de perrengue, então para mim o saldo do SWU foi bem positivo. Mesmo assim, escrevi muitas críticas lá no meu texto.

  81. cara, ouvi pouquíssimos elogios desse festival Ainda bem que não gastei essa grana para ir. Vc está muito certa quanto a comida. Embora adore festivais, vc sempre come mal. Podia haver mais consideração entre os organizadores do evento. um amigo falou uma ótima: “Foi diícil se sustentar no festival da sustentabilidade”.

    Mas ele tem que botar o povo para consumir mesmo! Senão não ganham dinheiro e vc acha mesmo que eles fizeram o festival para falaram sobre a sustentabilidade? Que nada! Trouxa é quem acredita nisso.

  82. oi, estou no chile e teve o maquinaria aqui com mais ou menos as mesmas bandas internacionais que rolou no brasil, e o ingresso saiu por 120 reais, e chile é um pais caro como o brasil.

    tem que tacar fogo em tudo aí, grava o nome do babaca

  83. O uso de copinhos de plástico foi apenas um exemplo do quanto o evento estava preocupado com o meio ambiente!

  84. Vi tanta reclamação que meu sonho de ir ao SWU realmente agora foi por água abaixo, o que não entendo é que falam tanto de proteger o mundo, cuidar dele e quando na hora os problemas mostrados dizem totalmente o contrário!!!!! SACANAGEM…

Quem linkou este post

  1. criativo: Ao ler esse art… | Planner Collective Tweet Farm - [...] Ao ler esse artigo: http://www.isabellices.com/o-que-foi-o-swu/ entendi porque o @juliomoraes pulou fora ANTES. Parabéns, [...]
  2. Sobre Festival SWU 2010 | DESERTORES DA ESCADA - [...] li esse post O que foi o SWU? onde também tem links para outros textos sobre o [...]
  3. SCREAM & YELL 2.0 » Três dias de SWU no interior de SP - [...] 2) - “O que foi o SWU? Principais problemas e sugestões”, por Isabele Ianelli (leia aqui) - “Balando do…
  4. A caverna dos 33 mineiros : Etcetera e tal - [...] impressionante é que os organizadores do SWU não aproveitaram esse momento para fazer um evento socialmente sustentável, com bandas…
  5. Não! Nós não teremos um Woodstock | 10porhora - [...] SWU, a far$a da $u$tentabilidade O que foi o SWU? [...]
  6. E termina mal « Vemos o que Somos - [...] O que foi o SWU? – Isabella Ianelli – Isabellices (excelente compilação) [...]
  7. Não fui ao SWU « Meu Ambiente - [...] sem querer ser chata, nem parcial, indico a leitura dos relatos: O que foi o SWU? e A insustentável esperteza…
  8. Um Festival | Radar Verde - [...] http://www.isabellices.com/o-que-foi-o-swu/ [...]
  9. SWU: sonho ou pesadelo? « dias normais - [...] o RDesign BH — mas não pude deixar de me sensibilizar pelo que li em vários blogs sobre a…
  10. Cotidiano « Nova Manha - [...] Recebi pelo twiiter 2 dicas de textos com alguns fatos e verdades sobre o evento. Um está AQUI e…
  11. Marketing Verde – “Sustentabilidade” em prol de um mundo “melhor” - [...] Planeta sustentável, Isabellices, Lista 10 [...]
  12. DESCOLINKS DA SEMANA #23 « youPIX - [...] super famosas. Se você não foi, tudo bem. Confira uma retrospectiva dos piores FAILS do festival aqui. E veja…

Deixe seu comentário