Todo mundo amarela uma hora?

Desde 2004, sou fã confessa do grupo O Teatro Mágico. Assim: foi paixão à primeira vista. Conheci o grupo pela Internet e passei um bom tempo sendo fã à distância. Um dia, tomei coragem e fui assistir a uma apresentação. Foi o início de um longo trajeto como fã de carteirinha. Do tipo que chega bem antes da apresentação e só vai embora bem depois.

O grupo, que é liderado pelo querido Fernando Anitelli, conseguiu levar para os palcos uma mistura de diversas manifestações artísticas. No entanto, mais inusitada do que a proposta de reunir tanta gente diferente com o mesmo objetivo, é a bandeira da arte independente levantada com fé por Anitelli e sua trupe.

Músicas para baixar na Internet, contato direto e frequente com os fãs e um jeito acolhedor de lembrar do nome, da família, da última vez que viu e essas coisas que mostram que a mesma pessoa que estava em cima do palco, está ali, sem maquiagem ou pose, conversando com você. De igual para igual. Parece óbvio, básico, normal e até mesmo necessário para uma real admiração, mas qualquer um sabe que não é bem assim na prática das outras bandas.

Por este e por outros motivos, O Teatro Mágico ganhou destaque como mais do que uma banda: um ideal. Assim, todo mundo que conhece o grupo acaba (de uma maneira ou de outra) chegando ao debate da arte independente, da música para baixar, da liberdade do artista, da necessidade do contato direto com o público, da desmistificação do ídolo etc e tal. E quem entra em contato com o universo do grupo, chega também aos projetos paralelos dos artistas que estão n’O Teatro Mágico mas que carregam, além desta, outras bandeiras, como é o caso da “boneca do tecido”.

Gabriela Veiga, circense, bióloga, vegetariana convicta e idealizadora do projeto Hábitos e Habitat

Acontece que, na semana passada, O Teatro Mágico apareceu na novela das oito. Sim, na novela da Globo. Sim, O Teatro Mágico. E como eu vi um mar de manifestações surgindo e um Fernando Anitelli oscilando no Twitter entre explicações pacientes aos fãs e o bloqueio dos mais irritadinhos, pensei que eu tenho onde interferir nesta história.

É claro que eu não esperava menos. Aguardei ansiosamente pelo burburinho e pelas perguntas assustadas do tipo: “O Teatro Mágico se vendeu?”. Os fãs seguem mais do que uma banda e a indignação sobre a aparição na novela da Globo era esperada. E é legítima. Explico.

Há anos, os fãs frequentam os shows da trupe e, em determinado momento, ouvem um pequeno discurso exaltado do líder do projeto, falando sobre a dificuldade da divulgação do grupo, da falta de acesso à chamada “grande mídia”, do jabá pago pelas grandes gravadoras. Entre outras coisas, Anitelli não deixa de citar a alienação da televisão, como é o caso da música Xanéu no. 5 (crítica evidente ao canal no qual apareceram).

E quando falamos de novela, falamos de algo que é assistido por uma grande parte da população e que, acima de tudo, é um veículo ótimo de manutenção dos valores em voga e criação de moda. Sim, basta a mocinha (ou a vilã) usar um determinado esmalte para que este vire febre. Cintura baixa, cintura alta, preto, cinza, rosa. Tudo é ditado, essencialmente, ali. A moda do povo, o que vai vender, o que vai acontecer, o que vai tentar virar febre nos próximos nove meses.

Por isso, acho mais do que saudável que os fãs coloquem Sr. Anitelli e companhia na parede perguntando: “E aí? Qual é a de vocês?”. Primeiro, porque é a prova de que estes fãs, de alguma maneira, entenderam o recado dado nos shows. E depois porque Anitelli, que é um cara muito inteligente e coerente, interessado em arte, cultura e disposto a meter a mão na massa para que algo, de fato, ocorra neste país, tem lá suas explicações para a aparição na novela: a audiência é incrível, pela novela o grupo chegou a pessoas que não têm acesso à Internet, a trupe foi convidada etc e tal.

No entanto, acredito que o que o povo do Twitter não conseguiu dizer em 140 caracteres é: a luta de vocês foi para isso? Sim, sem dúvidas a novela deu um destaque ótimo ao grupo, mas até que ponto isto vale a pena? Durante alguns minutos na telinha da Globo, a trupe foi só mais um adereço do teatro montado pelo autor, pelo diretor e pela produção. Quem assistiu não viu O Teatro Mágico (a não ser quem conhece), mas viu, sim, um grupo de circo, com algumas músicas fazendo a reinauguração do “Restaurante do Garcia”.

Não condeno o grupo por aparecer na Globo. Não acho que ninguém ali se vendeu. Também não acredito que: “Ou é o trono ou é o inferno”, como dizia uma música que eles costumavam cantar e que um trecho está como título deste texto. Sim, a história teve pontos altos. Só não posso achar que este é um marco na história d’O Teatro Mágico. Marco, para mim, foram os shows da Virada Cultural, com milhares de pessoas cantando. Marco foram os aniversários da trupe, com outros milhares declamando poemas em uníssono, marco foram os CDs vendidos, marco é a febre do boca-a-boca.

Não posso acreditar que só teremos um outro grande marco quando, um dia, convidarem o grupo para um novo capítulo de novela. Isso, para mim, foi uma mera consequência, um reconhecimento tardio, um ponto numa história de outras tantas conquistas mais interessantes.

Related Posts with Thumbnails

Compartilhe...

 

Receba o próximo texto


28 comentários

  1. Olha eu acho que é aquela velha história de de “ser a capa e ser contra a capa…” quanto mais espaço melhor =)

  2. Quero ver o Teatro Mágico no BBB 2011.

  3. Olá Isabella! td bom?
    só pra te esclarecer… estou te escrevendo pela consideração que tenho por vossa senhoria em todos estes anos de “platéia TM”
    Achei de muito mal gosto a ironia no nome do texto! Distorce toda a idéia original da música, mas vamos lá:
    não oscilei no twitter, minha opinião permanece intacta!
    Não bloqueei ninguém tbm! Vi uma menina escrevendo isto e pensei: ta louca! só poder ser! Se eu tiver que responder a cada um e a cada falta de respeito com o qual se dirigem a mim teria que passar o dia só fazendo isso!
    Não vejo nada de incoerente no discurso do TM!
    Não sei se já leu nossas observações, no site, na comu… Quando dissemos que foi um marco, é justamente por sermos a primeira banda de musica livre, que critica o canal que aparece, que articula um movimento pelo pais inteiro contra o jabá, que foi convidada a entrar na programação de uma novela com 34 milhoes de telespectadores, SEM PAGAR JABÁ!
    Estávamos ali pelo nosso talento… outra coisa, se fosse a MTV, td bem? Se fosse o SBT, td bem? Se fosse a radio Transamerica tocando nossa música tb bem? Ah! não! mas é a Globo! e é uma novela! Esse é justamente o esteriótipo da crítica! “ai apareceu na Globo! e o discurso?” – esta é uma maneira rasa e superficial de se pensar.
    A música Anjo mais velho tocou INTEIRA no enredo da trama… pra mim, desinteressa se vc nos achou plano de fundo! Ao meu ver, estavamos protagonizando tudo aquilo! Foi quase um clip do TM num horario de audiencia gigante!
    Não sei quantas mil pessoas já nos contactaram… e permanecemos com nosso discurso e prática (e não com teorias sobre a vida na frente do pc!)
    Outra coisa, não foi pra isso que lutamos até hoje… estamos no caminho… tem muito chão ainda!
    Acho um raciocínio burgues e equivocado acreditar que através da internet, que voce e mais 15% do país tem acesso, nó iremos conseguir levar nossa obra adiante! Sempre reclamei e continuo reclamando da falta de democracia na comunicação… e é não dialogando com as emissoras que eu vou mudar algo? é não aparecendo? se finalmente as emissoras se rendem à musica livre… a gente não tem que entrar? não podemos ser um vírus no meio daquilo tudo? A igreja prega pra quem? para os fiéis… ou para os infiéis?
    Acreditar que somos intelectualizados, vanguardistas, e devemos ficar no submundo da garagem e dos bares da vila madalena é muita prepotencia…como já disse, somos muito mais simples… temos uma obra/movimento para alcançar o público e uma bicicleta que voa! Não temos tempo pra ficar trancados na telinha do pc dos fãs de ocasião! Fazemos poesia e política! Dialogar com todos (público e emissora) é o mínimo que podemos fazer!
    Agora preciso ir…
    Espero ter esclarecido… se puder… coloque meu texto junto ao teu no blog… fica mais digno de resposta!
    bjo grande

  4. se este for mesmo Sr. Anitelli, oq eu não acredito, nunca teria escrito isso: “…Acho um raciocínio burgues e equivocado acreditar que através da internet, que voce e mais 15% do país tem acesso, nó iremos conseguir levar nossa obra adiante!”.
    E se for, ele construiu todo o discurso do TM em bases erradas, se não acredita no poder da internet, então que tivese começado direto na gravadora ou, pelo menos, aceitado um dos inúmeros convites feitos, não é mesmo?
    Ai ai ai viu…
    tb acredito que foi uma consequência doq eles conseguiram e não um marco na carreira, se fosse assim, as vezes que foram no Altas Horas ou apareceram em outros canais tb deveriam ser assim considerados.

    enfim… fim!

  5. Isa, show o seu texto, seu blog, sua expressão e sua ironia digna de grandes pensadores! Acho que você deveria fazer um post retratando sua opinião sobre o tema acima, bem como sua contra resposta, não com o intuito de polemizar, ou de criar um debate! Mas talvez seria um contra-senso ficar calada, quieta, quetinha, em silêncio depois desta resposta de burgues! Um beijo e vamos que vamos.. estou adorando seu blog.. @RickMuniz

  6. sou eu mesmo… e é um pensamento burgues e equivocado sim!
    coisa de classe média comtemporanea que acha que internet chega no cafundó do Acre, no norte do país, em presídios, hospitais e asilos… Vamo acorda Galera!
    Acho fantástico o debate… só por isso estou aqui!
    Agora não vou na radio e na tv porque ambos faltam com democracia? ué? que forma mais arrogante de protestar: “não vou!” prefiro ir, mostrar o trabalho com dignidade, na íntegra.. não fui vender cerveja… fui cantar minha música! Saibam diferenciar o joio do trigo!

    ps:Larissa… acho que voce construiu sua idéia de acesso e liberdade em bases erradas… vc tem internet, tem gente que só tem tv e rádio e não tem noção do que é www!

  7. Parece que só eu não achei o texto nada ofensivo… Não entendi a resposta inflamada do Anitelli, assim como achei o texto, na verdade, uma respeitosa e digna exaltação ao trabalho e aos ideais do TM.

    Todo texto tem princípio, meio e fim, numa sequência lógica que leva à conclusão – neste caso, a de que o aparecimento do TM na novela não foi nada além do que um reconhecimento que, chegando tarde, não aumenta nem diminui o valor da trupe, apenas consolida.

    Pensamento burguês e equivocado é ler um trabalho crítico – sim, porque todo crítico é sujeito à criticas e deve saber recebê-las de mente aberta e coração tranquilo – e sair se defendendo do que foi legitimamente colocado como se, as observações da Srta. Ianelli, não tivessem eco em todos os fãs do TM. Ou como se estas observações estivessem carregadas de alguma forma de ofensa.

    Estas observações, se bem lidas, não refletem exatamente o pensamento da blogueira, mas também o que maciçamente vem se discutindo à boca pequena.

    De forma extremamente respeitosa e sempre exaltando as ideias defendidas pelo TM ela expôs um questionamento coerente e, sim, defendeu seu ponto de vista sem apelações ou agressões pessoais, opinião esta calcada não somente no que “teorias sobre a vida na frente do pc” podem proporcionar, mas também em todo o estudo e cultura que ela adquiriu, o que a permitiu, inclusive, conhecer e admirar o trabalho do TM.

    Não entendi porque tanta defesa sobre um texto que em nada os denigre, muito pelo contrário, valoriza de tal forma o trabalho da trupe que sequer entende que o ‘aparecimento’ no canal mais importante do Brasil seja o que, de fato, defina um trabalho que se estende e consolida há anos através do que hoje, definiu o Sr. Anitelli, como uma “classe burguesa’ (os 15% que tem acesso à ‘vida atrås do pc’).

    Faltou compreensão do texto ou foi impressão minha?

  8. Umaa coisinha gente…Pro Fezinhoo táa..”!
    Nãao aumente o ingresso pelo amor de DEUS…sou universitária e desempregada,como irei aos show´s…E morro se nãao foor..! =)

  9. Também não entendi a resposta do Anitelli. Talvez ele esteja numa frequencia de respostas agressivas, por ter sido tão criticado.
    O mais estranho é ele não perceber o quanto foi contraditório. Não é porque o acesso à internet não é abrangente como deveria ser, que as pessoas não podem dar sua opinião. (“Agora não vou na rádio e na tv porque ambos faltam com democracia?”).

  10. Bom,

    Adoro o som que o TM faz e os ideias que passam, mas não posso me considerar uma fã de carterinha… conheço o trabalho a bastante tempo, e confesso ter ficado feliz em ve-los tocando… Não assisto novela, pra mim é algo que só ensina coisas erradas e em poucos, eu disse poucos, casos mostram coisas de valor social… mas achei o máximo minha vó que estava vendo a novela, me chamar e dizer… Olha não é aquela banda que vc escuta? E eu pensei… caraca, os caras sairam da cena ‘undergroud’ , e estão em pleno horário nobre na Rede Globo!
    Acho demais essa polemização em torno do aparecimento na emissora do plin plin… E continuo achando que tudo isso é muito normal, penso que sempre vai ser assim.. ngm agrada todo mundo… e digo mais, em certos momentos enxergo isso como um certo sentimento de ciumes, aquele sentimento de que a banda que você viu começar de repente vai ser conhecida em maior proporção… e vai deixar de ter aquele ar de ” só eu conheço ” , ou então ” eu gosto de uma banda alternativa ”…

    Sr. Anitelli, postei sim o link no twitter com a intenção de saber uma resposta da pessoa mais indicada pra isso, e te garanto, mais respondido impossivel… isso só me prova que seus ideais e idéias continuam as mesmas!O fato de vir até aqui e responder, prova a todos nós que o carinho e respeito que há para com o publico será sempre o mesmo, independe se estiverem tocando na virada cultural, ou no horario nobre da Rede Globo!

    Um grande beijo

  11. “coisa de classe média COMTEMPORÂNEA (:0) que acha que internet chega no cafundó do Acre, no norte do país, em presídios, hospitais e asilos… “pois então, se os outros 85% da população não conhece o que é ‘www’, porque vcs não foram direto pra gravadora, pra tv e fizeram carreira com os outros 15% usando um discurso de que a internet tem grande papel e tem sim relevância pra cultura popular? É contraditório, vc não acha?

    De qq forma, acredito que a Isabella em nada faltou em respeito com vc ou com o TM, ela defendeu a sua opinião. Assim como vc considera a ida à tv um marco na carreira do TM, ela não considera. Mas em momento nenhum escreveu agressão gratuita como essa: “pra mim, desinteressa se vc nos achou plano de fundo!”

    Agora, acho uma pena haver essa agressividade à toa, até porque você fez oq achava que devia e não deve satisfação pra ngm! Eu pelo menos não vou deixar de ir aos shows de vcs e nem deixar de ouvir as músicas….

    Mas enfim, cada um faz o que acha certo. Bom pro TM que agora boa parte das pessoas já ouviu falar…!

  12. Muito obrigada a todos que comentaram (mesmo aos que passaram aqui só para deixar um beijo ao Anitelli! hehe). Muito obrigada mesmo…

    Querido Fernando,

    Estamos juntos pela vida há mais ou menos cinco anos, entre recados no Orkut, encontros em shows, artigos em que te citei (lembra?), declarações confessas de amor à trupe, shows por outras cidades, outros estados, encontros casuais, carnavais e só agora fomos “discordar”. Que delícia! Já podemos ser amigos!

    Sei que você está numa fase de muitos ataques. Sei que toda vez que você aparece na mídia, acontece a mesma ladainha: “O TEATRO MÁGICO SE VENDEU!”. Sei que deve cansar (o exercício do debate e da democracia é mesmo mais cansativo, não acha?), sei que não deve ser fácil ver tantas críticas e ter que responder à altura a cada uma delas.

    Imagino que você entrou aqui um pouco assustado pelo título do texto, engoliu algumas palavras minhas e respondeu “no calor da emoção”. Mas gostaria que você, de “cabeça fria”, relesse o texto, no qual eu só coloco elogios a você e a todos os integrantes do TM. O próprio título é: “Todo mundo amarela uma hora?”. Interrogação. Amarela? Não. Mas é o que todo mundo vem querer saber quando você aparece “na Globo”. É ou não é?

    Sei que esta luta é grande, sei que vocês estão na estrada, que a Internet é somente uma partícula da coisa toda e… Ei! Eu disse isso tudo no texto! Exalto toda a história da trupe, todas as conquistas…

    Não criticaria gratuitamente uma opção sua, uma oportunidade ótima que o grupo teve etc e tal. Quem está com a mão na massa É VOCÊ e eu estou de “plateia TM”. Não tenho nenhuma ideia melhor de propagação da arte e da cultura, não estou envolvida nos debates, não sou idealizadora de um projeto. Sou só plateia TM – e já considero ótimo. Poxa vida, você sabe disso!

    Tentei resumir o que eu vi acontecendo no Twitter, o que as pessoas andavam dizendo sobre o assunto. Achei legal escrever aqui, seguir seus conselhos, “ser a capa e ser contracapa”. Sei que é fácil falar, que o duro deve ser aguentar um bando de “fãs de ocasião” se manifestando rispidamente. Mas lembre que estou com vocês e que, como muitos afirmaram aqui, meu texto faz de tudo para ser respeitoso e é cheio de elogios. Digno de uma fã.

    Pensei que a gente poderia ver esse movimento de gente te colocando na parede e pensar: “Poxa, que bom que o público do TM PENSA!”. Que legal que estão acompanhando mais do que a música, mais do que a boneca linda, mais do que o percussionista gente boa etc e tal. Que bom que tudo é mais do que uma banda, que somos um ideal!

    “Criador, cria e atura!”. Mérito e monstro. Abrir para o diálogo é lindo, mas, às vezes, dói.

    Saiba que, por mim, estamos juntos.

  13. Não sei, há muito coisa subentendida, julgamentos e pouca informação. Sinceramente, a trupe usou a novela como ferramenta para atingir um outro público. Eles pagaram para estar lá? Se pagaram, aí sim fere o que pregam. Mas o próprio já deixou claro que não. A trupe sempre seguiu para todas as classes, e como antes, foram no Altas Horas, porque não também numa novela? Ora, pra mim só mostrou algo fantástico! Eles poderiam se fechar somente para um grupo como fazem alguns da MPB que gritam que a educação é a maior arma e não ensinam, pois já antevêem de forma preconceituosa o não entendimento de outras classes, também o não entendimento das emissoras diante de sua mensagem. Se exilam. Se excluem da massa. E não ensinam somente gritam!

    O texto passou como irônico, porque deixou claro a idéia que foram somente um adereço (lembrando bem que NENHUMA canção em novela é adereço para quem assiste) e não deu ênfase na real atitude da trupe, onde aquela pequena apresentação foi uma chance de não abrir mão dos ideais, e ainda assim, abrir o leque com emissora e público. TV como ferramenta sendo bem usada.

  14. Fala Fernando!

    Belo papo, cara. Listo alguns pontos:

    1. A Isabella foi bem cuidadosa, nada agressiva, e mal criticou a ação. Não há necessidade de defesa alguma.

    2. Eu, se fosse fã da sua banda e quisesse criticar esse posicionamento, seria bem mais duro. Meu argumento focaria apenas no fato de ser uma inserção numa novela – ser da Globo ou não é o de menos. Mais inteligente é fazer trilha de série boa (que também tem na Globo), aparecer fazendo show em filme bom, dar entrevista… Enfim, se inserir de modo contextualizado, igual trocentos grupos já fizeram, como Nação Zumbi e Cordel do Fogo Encantado.

    Cara, você já viu uma cena de novela? Inserir-se assim é igual participar cantando uma música num álbum do NX0. ;-) Dizer que a novela funcionou como “clipe” é piada para mim. Ou melhor, seria isso o que eu diria… se eu fosse fã d’O Teatro Mágico. ;-)

    3. Para entender seus fãs, imagino eu com 12 anos e o Aerosmith (minha banda preferida na época) tocando na Malhação… É, eu ficaria bem decepcionado. O que não rolou quando eles participaram dos Simpsons.

    4. Sua necessidade em responder e seu pedido de ter o comentário publicado junto ao post só demonstra um espécie sutil de censura. Talvez uma boa coisa seja experimentar ficar em silêncio e deixar tudo rodopiar, sendo o espaço no qual vários debates se realizam, a favor ou não do direcionamento atual do seu projeto.

    É isso.

    Boa sorte com seu projeto.

    Abraço!

  15. Estou com o Gustavo, faço minhas as palavras dele.

    “A música Anjo mais velho tocou INTEIRA no enredo da trama… pra mim, desinteressa se vc nos achou plano de fundo! Ao meu ver, estavamos protagonizando tudo aquilo! Foi quase um clip do TM num horario de audiencia gigante!
    Não sei quantas mil pessoas já nos contactaram… e permanecemos com nosso discurso e prática (e não com teorias sobre a vida na frente do pc!)”

    Desculpa, Anitelli, isso não rolou.
    Desde que conheço o TM, é o mesmo discurso e a mesma prática.
    Não sei se cabe dizer isso aqui, mas, agora, me sinto aliviada por ter deixado de ser fã d’O Teatro Mágico.

  16. Enfim, o problema de interpretação do texto da Isabella deve ser resolvido logo. Assim que os ânimos se acalmarem.
    E não concordo com o Gustavo, pensando no acesso dos não-fãs do TM a cultura de alto nível. Vai que algum noveleiro se interessa e aprende a assistir o que é bom, né?

  17. Rapidamente, estou na faixa dos 40 e moro em SP há mais de 20 e nunca ouvi ou soube da existência do Teatro Mágico (e me considero relativamente bem informado). E por uma questão de princípios não assisto à TV Globo e muito menos à novela das oito. Logo, não vou entrar no mérito de discutir a qualidade artística do grupo e se a apresentação no meio da novela foi relevante ou não. Vou questionar sim a proposta cultural do TM, pois tudo indica que era uma proposta voltada para um determinado nicho. E creio que eu que o Sr. Anitelli estava ciente dessa limitação. Quer dizer, abrir mão de um pequeno mas consolidado reconhecimento em troca de 15 minutos de fama, deve ter sido duro e difícil. E tomada a decisão, ele deveria de estar preparado para as críticas que iriam surgir inevitavelmente, pois se há algo que a “burguesia” adora fazer é cobrar coerência. Enfim, só o tempo irá dizer se foi um marco ou não aparecer no meio de uma novela. Talvez não signifique nada, talvez seja um ponto de inflexão. Talvez seja o fim do grupo como algo alternativo, talvez. E não será a primeira nem última vez que gente jovem e talentosa com uma proposta independente e questionadora é cooptada pelo sistema. E o sucesso – cedo ou tarde – irá cobrar seu devido preço.

  18. Poxa Isabella, eu não vejo a novela mas devia ter visto nesse dia, que bom que o pessoal da rede globo têm bom gosto e colocou o TM em voga, é um alívio porque poderiam ter colocado bandas emo lixo que estão por aí. Ainda há esperança na mídia de grande massa rsrs, beijo, seus textos e os do seu namorado Gitti são muito legais.

  19. Eu vi a novela e fiquei muito feliz de ver o TM la!
    Achei incrível!
    Acho que essa banda deve mesmo ser divulgada pra todo Brasil! Não importa como, nem onde.
    Parabéns Anitelli! E Parabéns pelo post tbém! Não achei que foi uma crítica, e sim um elogio.

  20. Tudo, um dia, perde a mágica ! Inexorável !

    Ou é por falta de carinho, de tempo, de paciência, de sonhos, de força, ou, como na maioria das vezes, por falta de dinheiro !

    Em tempo: Lembre-se que para comprar comida é preciso dinheiro! Seja carne ou vegetais.

  21. The Lonesome Traveler |

    “a gente não tem que entrar? não podemos ser um vírus no meio daquilo tudo?”

    A Grande questão é:
    Participar daquilo tudo não é uma maneira de fazer parte dessa grande sujeira?

    Acho que você amarelou sim!
    Diluiu seu próprio refrão em nome de um objetivo impossível.

    Eu já fui um grande fã da música do Teatro Mágico!
    Hoje me reservo a olhar esse Fernando Anitelli como um grande ponto de interrogação.

  22. Sou leitora do Isabellices a pouco tempo e como muitos leitores me reservo o direito de só ler e não me declarar. Mas diante de uma resposta tão ranzinza do Anitelli a um texto tão doce da Isabella, me vi impelida a deixar minha opinião. O Anitelli além de não ter entendido o texto (releia-o quantas vezes forem necessárias até que a sua visão viciada na crítica consiga enxergar), não foi nada sutil na resposta passando do limite onde replicar uma crítica é saudável, ofendeu a pessoa que escreveu e não a idéia defendida pela pessoa que escreveu (de maneira equivocada ainda por cima, haja visto a não compreensão do texto). Burguesa e fútil na frase: “(e não com teorias sobre a vida na frente do pc!)”. Anitelli foi no mínimo grosseiro, equivocado e deselegante. Engraçado como um texto pode nos fazer ver pessoas, artistas e até mesmo todo um grupo de forma tão diferente de antes… Lamentável.

  23. Como eu nao conehcia seu blog ainda!
    Parabens Isa! Sua forma simples e mutio coerente de escrever encanta!
    Ja fui MUITO fã do TM.
    E confesso que a noticia de que eles estariam na novela…e na Globo me assustou e decepcionou bastante.
    Acho incoerente com todo o histórico, mas não julguei.
    Afinal…é como você disse em sua resposta ao Fernando: Sou plateia. Nao sei como é estar lá..com a mão na massa.
    Querendo um lugar ao sol…um espaço.

    Infelizmente acho que o TM tem tomado rumos e direções diferentes do que vivi e vi no inicio.(até em palanque ele tem estado afinal de contas…que mais podemos esperar?)
    Uma pena.

    Mas pela resposta dele…entendi que “os fins justificam os meios”
    E se aparecer na novela (pra ele) foi como ter um clipe no horario “nobre”. Ok.
    Palmas pra ele.

    Eu sigo aqui. Sem Globo. Sem novelas. E por hora…sem TM.
    Bjos

  24. primeiro.. muito bom o site!
    vi uma vez ao vivo o Teatro Mágico.. muito boa a banda!
    agora, essa questão de aparecer ou não na globo, não muda muita coisa.. e não sei até q ponto é coerente com o ‘discurso da banda’ ou não.. só se ‘se vende’, quando entra no esquema jogando sujo, como geralmente é.. mas quando é em casos específicos, nada de mais.. aliás, aproveitar o momento para aplicar uma dose de caos.. se bem que caos é o q menos acontece na arte contemporânea.. enfim..

    continuo gostando do Teatro, sendo ele Mágico ou não..
    e a globo que se dane!

  25. “A poesia prevalece”! “Ser capa e ser contra-capa, a beleza da contradição”, “Acesso é poder e o poder é a informação”…
    Confesso que a notícia em que o TM apareceria em uma novela da globo me assustou também. Mas, por uma questão de ciúme mesmo. Talvez, por não compreender o objetivo do TM de literalmente prevalecer a poesia! Acredito que tudo depende de como você vê a situação! Eu prefiro enxergar o TM ali como realmente um mediador entre o público e a arte. Independente se foi na globo, sbt, record. Se foi novela, seriado, filme. Tanto faz! Entendo a justificativa do Anitelli, mas, existem várias formas de você se dirigir a uma pessoa e expressar sua opinião. E quanto a Isabelle também entendo seu ponto de vista! E achei legal os questionamentos que ela levantou, é o “não acomodar com o que incomoda”. E até porque, “todo sujeito é livre para conjugar o verbo que quiser”. E a última resposta dela me fez sentir orgulho, percebi humildade da parte dela em não querer ofender o trabalho do TM ou o próprio Anitelli.
    Enfim, “descobrir o verdadeiro sentido das coisas, é querer saber demais”.

    Ah… e continuo perdidamente apaixonada pelo TM! ♥

  26. “Não condeno o grupo por aparecer na Globo. Não acho que ninguém ali se vendeu. Também não acredito que: “Ou é o trono ou é o inferno”, como dizia uma música que eles costumavam cantar e que um trecho está como título deste texto. Sim, a história teve pontos altos. Só não posso achar que este é um marco na história d’O Teatro Mágico. Marco, para mim, foram os shows da Virada Cultural, com milhares de pessoas cantando. Marco foram os aniversários da trupe, com outros milhares declamando poemas em uníssono, marco foram os CDs vendidos, marco é a febre do boca-a-boca.”

    Mais claro que isso impossível.

    Tbm acredito que o OTM não se vendeu, a não ser que tenha pagado jabá para aparecer naquela mediocremente “grande” emissora ou em qualquer outro canal diariamente comprado!

    Isso é a arte independente invadido espaços antes não alcançados, é a boa organização vencendo o egoismo da manipulação econômica.

    Essas participações é um incomodo aos grandes manipuladores que investem dinheiro para que seus enlatados apareçam a qualquer custo. Essa é uma aparição comprada com arte, não com cédulas.

    Vi mais agressividade na resposta do Anitelli do que no texto da autora do blog, que se mostrou doce e educada. Entendo o ponto de vista do Anitelli, amplificar a mensagem e com isso trazer novas oportunidades, só não entendo a agressividade.

  27. oi, meu nome é Leandro e eu gostaria de saber o que significa a musica Xaneu n°5
    Obrigado!
    ps: conheci o Teatro Mágico há pouco tempo e adorei o som da banda so falta eu aprender a interpretar direito.

  28. Depois de anos…
    Amei o blog. Entendi o texto. Por isso me nego a acreditar que esse seja o verdadeiro Anitelli.

    Isabella, esse é mesmo o Anitelli? O.O

Deixe seu comentário